COMIDA
12/12/2018 13:40 -02 | Atualizado 12/12/2018 13:44 -02

Cortar carne vermelha reduz risco de ataque cardíaco já no 1º mês

Nunca é tarde para repensar sobre seus hábitos alimentares.

Hooman Mesri via Getty Images

Que bacon, hambúrgueres e um suculento bife não fazem bem ao coração todo mundo já sabe. Mas um grupo de pesquisadores dos Estados Unidos descobriram que o consumo regular de carne vermelha aumenta o risco de ter ataque cardíaco e doenças cardiovasculares.

Se você sempre foi um carnívoro assíduo, no entanto, aqui vai uma boa notícia: a mesma pesquisa verificou que deixar de comer carne vermelha por apenas um mês já reduz consideravelmente as chances do risco de morte prematura por problemas vasculares.

No estudo, pesquisadores da Cleveland Clinic Center for Microbiome and Human Health explicaram que compostos conhecidos como TMAO (N-óxido de trimetilamina) em altos níveis no nosso sangue estão associados ao aumento do risco de acidente vascular cerebral, ataque cardíaco e morte prematura.

O estudo publicado no European Heart Journal descobriu que os níveis desse composto triplicaram após apenas um mês comendo carne vermelha.

O estudo acompanhou 113 pacientes, que recebiam diariamente os planos de refeições com carnes vermelhas, carnes brancas e fontes de proteína vegetal. Após um mês da dieta com carne vermelha, grande parte dos participantes do estudo teve uma elevação nos níveis de TMAO no sangue e na urina.

Em média, os níveis de TMAO triplicaram durante a dieta com carne vermelha, em comparação com as demais dietas. Em alguns pacientes, os níveis deste composto aumentaram em 10 vezes.

No entanto, após um mês que os pacientes deixaram de comer carne vermelha e passaram para outras dietas, os níveis de TMAO no sangue e urina começaram a cair.

"Este é o primeiro estudo que mostra que nosso corpo consegue expelir diferentes compostos dependendo do que comemos", disse o médico e um dos autores do estudo, Stanley Hazen, ao New York Post. "Sabemos que nosso estilo de vida impacta a saúde do coração e estes estudos mostram uma direta ligação entre o composto TMAO e doenças cardiovasculares."

Os pesquisadores também alertaram que a carnitina -- usada em bebidas energéticas e suplementos -- pode induzir a produção de TMAO, mesmo em veganos e vegetarianos.