ENTRETENIMENTO
07/12/2018 20:10 -02 | Atualizado 07/12/2018 20:13 -02

Desenhistas e roteiristas celebram 55 anos de X-Men e legado de Stan Lee na CCXP

John Romita Jr, Scott Lobdell, John Cassaday, Joe Rubinstein e Peter Milligan falaram sobre influência dos heróis criados pelo quadrinista.

Painel reuniu desenhistas e roteiristas que passaram pelas revistas dos X-Men em diferentes épocas.
Denise Truscello via Getty Images
Painel reuniu desenhistas e roteiristas que passaram pelas revistas dos X-Men em diferentes épocas.

Mesmo que hoje os quadrinhos não tenham mais o papel de destaque que tinham quando o formato das comic cons foi criado, lá em San Diego (EUA), em 1970, a 9ª arte ainda é a base para boa parte da cultura pop que fascina o público que lota ao redor do mundo os eventos do gênero.

Um bom exemplo disso são os X-Men. Criado por Stan Lee e Jack Kirby em 1963, o grupo de mutantes completa 55 anos em 2018 com direito à muita festa na CCXP 2018.

A cereja desse bolo de aniversário foi o painel que ocorreu nesta sexta-feira (7) com importantes desenhistas e roteiristas que passaram pelas revistas dos X-Men em décadas diversas. Entre eles, ninguém menos que John Romita Jr, Scott Lobdell, John Cassaday, Joe Rubinstein e Peter Milligan.

"Nos identificamos tanto com os X-Men porque eles são como uma família disfuncional", conta Cassaday, artista que passou pela série Surpreendentes X-Men (Astonishing X-Men). Ideia compartilhada por Joe Rubinstein. "Quando você é marginalizado, não se sente como parte da maioria, encontre seus semelhantes e eles serão a sua família. Os X-Men e muitos de nós aqui somos isso", disse ao público.

Rubinstein trabalhou em uma das minisséries mais icônicas da franquia, Wolverine (1982), a primeira história solo do integrante dos X-Men que acabaria se tornando o mais popular deles, principalmente depois da estreia do grupo de mutantes no cinema, em 2000.

"Eu tinha vergonha desse trabalho porque o Frank [Miller, famoso desenhista e criador de HQs como O Cavaleiro das Trevas e 300] estava desenvolvendo um estilo mais japonês, mas não me falou nada sobre isso. Acabei com os desenhos dele", confessou Rubinstein. "Mas não hoje. Ser parte dessa história foi algo muito especial."

X-Men mais marcantes e Stan Lee

ASSOCIATED PRESS
Stan Lee, pioneiro da Marvel, morto em novembro passado aos 95 anos.

"Para mim é a Tempestade. Eu sempre quis ser uma mulher negra com cabelo prateado", brincou o desenhista Romita Jr., quando questionado qual era seu X-Men preferido.

Romita Jr., é, alias, da segunda geração de sua família envolvida com o universo Marvel. O pai do artista, John Romita, foi figura fundamental da editora nos anos 1960 e 1970, tendo criado, entre outros personagens famosos, o Wolverine. Romita, o pai, trabalhou muitos anos com Stan Lee, que também foi assunto entre os participantes do painel.

"Ele era um cara incrivelmente jovial. Mesmo já com mais de 90 anos seguia daquele jeito elétrico dele. Uma figura. Trabalhei com ele por alguns anos e ele nunca lembrava o meu nome. Isso porque eu tenho o mesmo nome do meu pai, que trabalhou com ele quase a vida toda", contou Romita Jr., fazendo a plateia cair na risada.

Mas quem contou a melhor piada sobre o mestre da Marvel, morto no dia 2 de novembro, aos 95 anos, foi o roteirista Lobdell. "Um dia o Stan chegou em mim e contou que um dia vendo uma apresentação de James Cameron sobre 'Titanic', o diretor o viu na plateia e o chamou para o palco. As pessoas lá deviam estar se perguntando: 'quem é aquele velho com James Cameron?' E comentei para ele: 'Stan, eles provavelmente estavam pensando que você era o único sobrevivente vivo do Titanic'."

Ele me xingou e disse: "Vou roubar essa, é muito boa".

Batalha de artistas

Rafael Argemon
Ivan Reis e Adriana Melo batalham pelo melhor desenho dos X-Men.

Como esquenta para o painel, uma batalha de artistas também celebrou os 55 anos dos X-Men. Adriana Melo e Ivan Reis tinham apenas 10 minutos para desenhar um personagem dos X-Men.

O público apontaria o vencedor.

Com passagens por séries como Homen de Ferro e Star Wars, Adriana Melo ficou conhecida por ser a primeira mulher a desenhar o personagem Justiceiro para a Marvel. Já Ivan Reis ficou famoso por seus desenhos que revitalizaram as séries do Lanterna Verde e do Aquaman na DC.

Em clima descontraído, Ivan desenhou o Wolverine, enquanto Adriana deu forma a uma Tempestade bem estilosa. No final, o público decidiu por um merecido empate.