NOTÍCIAS
03/12/2018 15:55 -02 | Atualizado 03/12/2018 17:30 -02

Bolsonaro sofreu novas ameaças nas últimas semanas, diz ministro

General Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), sugeriu cautela na cerimônia de posse em 1º de janeiro.

O então candidato Jair Bolsonaro é esfaqueado durante evento de campanha em Juiz de Fora (MG) em setembro.
Stringer . / Reuters
O então candidato Jair Bolsonaro é esfaqueado durante evento de campanha em Juiz de Fora (MG) em setembro.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, afirmou nesta segunda-feira que o presidente eleito Jair Bolsonaro sofreu novas ameaças nos últimos dias, mas não deu detalhes sobre os supostos casos identificados pelo setor de segurança do governo.

"Eu posso falar até 15 dias atrás. Até 15 dias atrás houve mais ameaças", disse Etchegoyen ao ser questionado sobre o tema, esclarecendo que esteve fora nas últimas duas semanas e não saberia dizer de casos mais recentes.

Mais cedo nesta segunda-feira Bolsonaro retuitou, em sua conta na rede social, dois tuítes com ameaças recolhidos pela conta "Ódio do Bem", que o apoia. Em um deles, o autor escreveu "Matem o Bolsonaro". Em outro, após uma usuária comentar que sua mãe estava no mesmo voo do presidente eleito, uma pessoa responde: "mande ela dar uma facada para valer dessa vez".

Diante das ameaças, o general sugeriu cautela na cerimônia de posse em 1º de janeiro. Segundo Etchegoyen, o planejamento para o dia ainda não foi fechado e não há definição se Bolsonaro irá desfilar em carro aberto.

"Nós temos um presidente que sofreu um atentado, que vem sofrendo agressões frequentes, basta ver nas mídias sociais, e a quem tem que ser dada a garantia, não só a ele, mas ao vice-presidente, das melhores condições de governo. Certamente a segurança exigirá cuidados mais intensos e precisos", disse.

"A decisão será do presidente. Eu presidiria tudo com cautela. Nesse momento, eu tenho que me atualizar, porque passei fora duas semanas, mas eu recomendaria que todas as medidas tomadas fossem presididas por cautela", acrescentou, ao ser questionado sobre os riscos.

Bolsonaro foi alvo de um ataque em que levou uma facada durante ato de campanha, no início de setembro, em Juiz de Fora(MG). Ele passou por duas cirurgias de emergência e ainda precisará ser operado mais uma vez para retirar uma bolsa de colostomia que usa desde o ataque.