ENTRETENIMENTO
05/12/2018 07:08 -02 | Atualizado 05/12/2018 16:22 -02

'The Ballad of Buster Scruggs': Filme é irregular, mas um marco para a Netflix

Produção dos Irmãos Coen dão status ao canal de streaming fazendo um resumo da carreira da dupla no ambiente do velho oeste.

Tim Blake Nelson interpreta Buster Scruggs, uma versão mortal do Patolino.
Divulgação
Tim Blake Nelson interpreta Buster Scruggs, uma versão mortal do Patolino.

O velho oeste não é uma novidade na vida de Joel e Ethan Coen. Seja em sua versão moderna, como em Onde os Fracos não têm vez (2007), ou tradicional, como no caso da refilmagem de Bravura Indômita (2010), os irmãos Coen entendem esse gênero como um ambiente perfeito para desenvolver suas críticas ao americano médio. Algo que fica ainda mais claro em The Ballad of Buster Scruggs, primeira produção deles para a Netflix.

Dividido em pequenos episódios, o filme funciona como um resumo da carreira da dupla, que viaja entre influências tão diversas quanto a dos desenhos animados ao terror gótico, mas sempre com um tema em comum: a morte.

Divulgação
Harry Melling no triste e macabro episódio "Meal Ticket".

Recheado do humor negro que é marca registrada de suas obras, The Ballad of Buster Scruggs a todo tempo nos alerta para a iminência da morte, que na realidade do velho oeste espreitava sem tréguas as pobres almas que habitavam esse ambiente selvagem. Isso dá um gosto amargo e até um inesperado tom triste para algumas histórias.

Claro que como é feito de pequenos episódios, o filme sofre com altos e baixos. Há contos muito bons, como o divertido (e violento) que abre o filme, estrelado por Tim Blake Nelson (Buster Scruggs), que mais parece uma versão mortal do Patolino; ou o tristíssimo e macabro conto que mostra a dura vida de um artista (Harry Melling) sem braços e pernas.

Outro que brilha é o músico Tom Waits, que está simplesmente espetacular como um minerador em sua busca por um veio de ouro à beira de um riacho em uma área (supostamente) isolada e bucólica.

Divulgação
Tom Waits mostra mais uma vez que deveria apostar mais em seu talento como ator.

Porém, em alguns momentos, o filme não alcança todo o potencial do material médio dos Coen, como no episódio mais longo, que conta as desventuras de uma jovem (Zoe Kazan) em uma caravana, meio sem rumo depois da morte de seu irmão mais velho. Também fica aquém no conto que fecha o filme, em que um grupo em uma carruagem encontra uma dupla (Jonjo O'Neill e Brendan Gleeson) de caçadores de recompensas bem esquisitos.

Mesmo irregular, The Ballad of Buster Scruggs não deixa de ser um marco para a Netflix, que passou a apostar em diretores mais gabaritados para produções próprias, abrindo mais uma frente em seu plano de dominar cada espectro do mundo do entretenimento — o do cinema "respeitável".