NOTÍCIAS
28/11/2018 13:00 -02 | Atualizado 28/11/2018 13:00 -02

Bancos serão obrigados a cobrar câmbio do dia em compras com cartão no exterior

Preocupação com o câmbio no dia da fatura está com os dias contados; Ilan Goldfajn, presidente do BC, diz que obrigatoriedade valerá a partir de 2020.

SERGIO LIMA via Getty Images
Medida anunciada pelo Banco Central deixará brasileiro 'mais confortável', segundo Goldfajn.

O Banco Central anunciou nesta quarta-feira (28) uma medida que promete acabar com as dores de cabeça de quem faz compras no exterior com cartão de crédito e se preocupa com qual será a cotação do dólar no fechamento da fatura.

Ilan Goldfajn, presidente do BC, anunciou nesta quarta (28) que a taxa de câmbio que será aplicada para a cobrança passa a ser a do dia em que for efetuada a compra no exterior - presencialmente ou pela internet.

Atualmente, apenas alguns bancos oferecem aos clientes a opção de travar o câmbio no momento da compra. Agora, pela regra criada pelo BC, todos eles terão que se adaptar à resolução que já havia sido liberada há quase dois anos.

"Normalmente o cliente compra no dia, e a taxa de câmbio que paga é a do dia de vencimento da fatura. Às vezes, o que ocorre é que o que se compra não é o que se paga, pois o câmbio se deprecia. O que estamos instituindo agora é que a taxa terá de ser a do dia que comprou", disse Goldfajn, em coletiva em Brasília. "É uma medida que facilita a vida do cidadão, e o brasileiro ficará mais confortável em saber quanto está gastando em reais."

Bancos terão tempo para se adaptar

A mudança na regra, no entanto, não será aplicada imediatamente. Segundo o presidente do BC, o consumidor já pode começar a procurar as instituições que estejam oferecendo essa opção, mas a obrigatoriedade deverá entrar em vigor somente a partir de março de 2020.

O presidente do Banco Central informou ainda que as faturas deverão apresentar, obrigatoriamente, além da discriminação de cada gasto na moeda em que foi realizado e o seu valor equivalente em reais, o valor da compra em dólares (se a moeda utilizada tiver sido qualquer outra) e a taxa de conversão do dólar para o real.