COMPORTAMENTO
27/11/2018 20:12 -02 | Atualizado 28/11/2018 12:25 -02

Ubuntu: um mundo plural

A contribuição da África para uma visão mais harmoniosa e tolerante do planeta

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural

Todos os dias ideias novas surgem, algumas são puro modismo, vem e vão embora muito rápido, outras são capazes de mudar profundamente nossa forma de ver e de estar no mundo. A Avon, gigante no ramo de cosméticos, há anos defende pautas que situem a beleza num contexto mais amplo, de construção de uma visão mais positiva, mais tolerante e mais includente dos corpos humanos.

E pensando nisso, a marca lança sua nova campanha no mês da Consciência Negra com o tema: #NOSSOAFROFUTURO.

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural

A proposta do novo filme da Avon, gravado em Paraisópolis, periferia da zona sul de São Paulo, de certa forma, é responder à pergunta: qual é a visão de futuro que as populações negras do mundo estão construindo?

As respostas incluem ressignificar o presente, orgulhar-se de si mesmo, celebrar não apenas seu passado, mas suas conquistas. Afinal, existir é se reinventar, reconstruir-se a cada dia. E se isso vale para o corpo, para falar de beleza e de identidade, vai muito além.

A campanha da Avon baseia-se em um movimento recente de mapeamento e valorização da cultura chamado Afrofuturismo. O termo pode parecer novidade, mas foi cunhado algumas décadas atrás, em 1994 pelo jornalista americano Mark Dery, em um artigo chamado "Black to the Future", o título, uma alusão a um hit do rapper Def Jef (de 1989).

Nesse primeiro momento, Afrofuturismo relacionava-se às formas de ficção científica que reimaginavam o futuro a partir das visões das populações negras em diáspora, ou seja, que viviam fora da África, sobretudo nos EUA.

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural

Vários artistas negros acabaram representando a tendência, como Sun Ra, pseudônimo do americano Herman Poole Blount, que teria influenciado David Bowie, e Basquiat, o artista genial da arte urbana e do grafite, que morreu cedo demais, aos 28 anos, em 1988 e dizia de si mesmo: "eu não sou uma pessoa, sou uma lenda!" Dos figurinos de Beyoncé e da arte multimídia de Janelle Monáe, ao superherói da Marvel, Black Panther, inúmeras manifestações artísticas embarcaram em visões afrofuturísticas. Uma onda que só crescia!

Quando Black Panther foi lançado, a ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama deu os parabéns a todos que haviam participado da produção do filme e elogiou: "graças a vocês, os jovens afro descendentes podem ver nas telas superheróis que parecem consigo mesmos". E se inspirar neles!

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural

Além da busca individual de sentido, no entanto, existe um outro aspecto, mais coletivo, dentro dessa visão de futuro: Ubuntu. A palavra tem origem Nguni Bantu, uma das línguas da África do Sul. Pode ser traduzida simplesmente como "humanidade". Mas não é tão simples assim.

"Ubuntu é uma forma africana de ver o mundo e as pessoas como uma intricada rede de relações", explica Michael Battle, autor do livro Ubuntu: I in You and You in Me (Eu em Você e Você em Mim). Desmond Tutu, um dos grandes líderes espirituais do século 20, foi quem configurou a cara moderna da filosofia ubuntuista. Para ele, uma pessoa com ubuntu é aberta e disponível para os outros. Afirma sua identidade ao mesmo tempo em que reconhece a identidade do outro. Sente-se parte de um todo.

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural

Muitas palavras têm sido usadas para definir a presença de ubuntu: simpatia, compaixão, benevolência, solidariedade, generosidade, compartilhamento, interdependência, consenso, compaixão. Nenhuma delas dá conta, sozinha, do sentido maior da expressão africana.

Ubuntu, como ética social e humanista, propõe que ser humano é afirmar sua própria humanidade reconhecendo a humanidade de todos os outro.

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural

Para um número cada vez maior de pessoas em todo o planeta, o mundo do futuro é, ao mesmo tempo, individual e plural: somos um pouco de todos, sem deixarmos de ser nós mesmos. É nisso que Avon acredita e esse é #NOSSOAFROFUTURO

Quer conhecer? Clica aqui

Fábio Freire
Ubuntu: um mundo plural