ENTRETENIMENTO
26/11/2018 20:15 -02 | Atualizado 27/11/2018 16:11 -02

Bernardo Bertolucci: 10 filmes para entender a carreira do diretor

Diretor italiano que morreu aos 77 anos acumulava controvérsias tanto na vida quanto na arte.

Considerado um dos grandes diretores italianos, Bernardo Bertolucci morreu nesta segunda, 26.
Divulgação
Considerado um dos grandes diretores italianos, Bernardo Bertolucci morreu nesta segunda, 26.

Assim como aconteceu com Roman Polanski e Woody Allen, a carreira de mais de meio século de Bernardo Bertolucci, diretor italiano que morreu nesta segunda (26), aos 77 anos, acabou sendo manchada por um escândalo sexual revelado em 2013.

Em uma entrevista a um programa de TV holandês há cinco anos, Bertolucci revelou que a cena de estupro do filme Último Tango em Paris entre Maria Schneider e Marlon Brando, um dos clássicos do diretor, não foi consentido pela atriz francesa. E que tudo foi premeditado por ele e Brando.

Após a revelação, a condenação pública a Bertolucci foi imediata. Em 2007, quatro anos antes de morrer, Schneider, que tinha 19 anos na época do filme, já havia afirmado ter se sentido "humilhada e violentada" por Bertolucci e Brando.

Há, no entanto, quem defenda que a atitude de Bertolucci como diretor não desmerece a obra do cineasta, ainda mais por se tratar de uma filmografia tão rica - e controversa.

Coincidentemente, ela é marcada por fortes questionamentos quanto à sexualidade em contraponto a questões de classe e políticas - uma característica latente em alguns dos filmes mais importantes do diretor italiano.

Veja aqui 10 filmes que ajudam a conhecer melhor a carreira de Bernardo Bertolucci:

1900 (1976)

Divulgação
Robert De Niro e Gerard Depardieu em cena de "1900".

Sinpose: Amigos de infância, o politizado camponês Olmo (Gérard Depardieu) e o alienado latifundiário Alfredo (Robert De Niro) acabam seguindo caminhos distintos na vida durante os anos de ascensão do fascismo e do posterior crescimento do comunismo na Itália da primeira metade do século 20.

Por que ver: Embalado por uma incrível trilha sonora de Ennio Morricone, o filme de 1976 funciona como um resumo dos principais temas de Bertolucci: o conflito entre o conformismo da burguesia e a politização das classes mais pobres em uma Itália que beira dois rumos políticos tão distintos quanto o fascismo e o comunismo. Isso sem falar do elenco internacional que conta com estrelas como Robert De Niro, Gérard Depardieu, Burt Lancaster e Donald Sutherland.

O Último Imperador (1987)

Divulgação
"O Último Imperador" ganhou 9 Oscars em 1988, incluindo os prêmios de Melhor Filme e Melhor Diretor.

Sinopse: O filme conta a trágica história de Pu Yi, o último imperador da China. No trono desde os seus 3 anos, com a proclamação da república, em 1911, ele viveu enclausurado na Cidade Proibida até os 24. Envolvido em jogos políticos no conflito com o Japão e na posterior Revolução Cultural chinesa, ele acaba seus dias esquecido e miserável.

Por que ver: Maior sucesso comercial de Bertolucci também é seu filme mais premiado. Além de conquistar prêmios no Globo de Ouro, Bafta (Inglaterra) e César (França), foi o grande vencedor do Oscar em 1988, conquistando estatuetas nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Fotografia, Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Trilha Sonora e Melhor Som.

Antes da Revolução (1964)

Divulgação
Bertolucci chamou a atenção da crítica com seu segundo longa, "Antes da Revolução" quando tinha apenas 22 anos de idade.

Sinopse: Fabrizio (Francesco Barilli) se sente dividido entre a boa vida de burguês e seus ideais simpáticos às lutas do Partido Comunista na Itália de 1962. Por conta disso, ele tem uma forte discussão com seu amigo Fabrizio (Francesco Barilli), que pouco tempo depois morre afogado. Convencido que o amigo se suicidou, Fabrizio passa a contestar seu estilo de vida, mas a coisa se complica ainda mais quando ele acaba se envolvendo sexualmente com sua tia, Gina (Adriana Asti).

Por que ver: Versão modernizada - e bem particular - do romance A Cartuxa de Parma, escrito em 1839 pelo francês Henri-Marie Beyle (mais conhecido como Stendhal), o segundo longa de Bertolucci, que tinha apenas 22 anos na época, chamou a atenção da crítica italiana, por misturar, de forma provocadora, questões políticas com o tabu da relação incestuosa entre o personagem Fabrizio e sua tia.

Os Sonhadores (2003)

Divulgação
Sexo, burguesia e política, o triunvirato que marcou a carreira de Bertolucci é revisitado em "Os Sonhadores".

Sinopse: Enquanto Paris vive a efervescência dos protestos estudantis em 1968, o estudante americano Matthew (Michael Pitt) conhece os gêmeos Isabelle (Eva Green) e Theo (Louis Garrel) em um cinema. Ele é posteriormente convidado a se hospedar na casa dos dois e o trio passa a desenvolver um estranho relacionamento sexual, totalmente alheios ao que acontece ao seu redor.

Por que ver: O controverso filme que revelou o americano Michael Pitt e os franceses Louis Garrel e Eva Green surpreendeu nas bilheterias americanas, mesmo com o forte conteúdo sexual da trama. É mais uma história típica de Bertolucci, onde os personagens canalizam no sexo suas frustrações pequeno-burguesas.

Último Tango em Paris (1972)

Divulgação
Marlon Brando e Maria Schneider em cena de "Último Tango em Paris", filme que sempre foi envolto em muita polêmica.

Sinopse: A jovem Jeannie (Maria Schneider) acaba conhecendo Paul (Marlon Brando), um americano de meia idade, enquanto ambos visitavam o mesmo apartamento para alugar em Paris. Uma irresistível atração física entre os dois acontece de imediato. Porém, ainda de luto pela morte de sua esposa, Paul pede para que os dois não saibam nada sobre a vida um do outro, até seus próprios nomes. Ele acaba alugando o apartamento, que se transforma no ponto de encontros sexuais entre os dois. Um dia, Jeannie vai mais uma vez ao apartamento e acaba não encontrando Paul, que saiu de lá sem deixar qualquer aviso. Ele acaba voltando, mas querendo que a relação seja mais do que apenas sexo, uma decisão que vai afetar profundamente a vida dos dois.

Por que ver: O mais polêmico e famoso filme de Bertolucci acabou se transformando em uma mancha em sua carreira. A revelação de que o diretor e o ator Marlon Brando conspiraram para fazer uma forte cena de sexo com a atriz Maria Schneider sem seu consentimento foi algo chocante. Depois da declaração, em 2013, Bertolucci nunca mais consegui filmar.

O Conformista (1970)

Divulgação
Jean-Louis Trintignant em "O Conformista", uma de suas melhores atuações de sua carreira.

Sinopse: Sem ligar muito para ideologias políticas, Marcello (Jean-Louis Trintignant) adere à onda fascista e acaba trabalhando para o regime do ditador italiano Benito Mussolini. Sua ascensão social em 1938 acaba lhe rendendo status e ele casa com Giulia (Stefania Sandrelli), com quem vai morar em Paris. Porém, a posição vem com um preço, pois ele é designado para matar seu antigo professor, um crítico do regime fascista.

Por que ver: O 4º longa de Bertolucci é considerado por muitos críticos o seu melhor. Prêmio Especial da Crítica no Festival de Berlim, o filme tem uma impressionante performance do ator francês Jean-Louis Trintignant, e Bertolucci mostrando que tinha talento de sobra para estar na lista dos melhores diretores da época.

O Pequeno Buda (1993)

Divulgação
Keanu Reeves vive Siddhartha em sua busca pela iluminação em "O Pequeno Buda".

Sinopse: Impulsionados por um sonho, dois monges budistas viajam a Seatle (EUA) para encontrar o pequeno Jesse (Alex Wiesendanger), menino que eles acreditam ser a reencarnação do Lama Dorje. Eles querem levar a criança para o Butão para participar de testes, mas enfrentam a resistência de seus pais. Ao mesmo tempo, o filme conta a história de Siddhartha (Keanu Reeves) em sua jornada em busca da iluminação, que o transformará em Buda.

Por que ver: Com uma fotografia estonteante do italiano Vittorio Storaro, parceiro de longa data de Bertolucci, o filme foge dos temas comuns à filmografia do cineasta, que aqui faz uma ode ao budismo utilizando duas linhas de narrativa em épocas muito distintas que, curiosamente, se encontram.

Beleza Roubada (1996)

Divulgação
Liv Tyler, até então conhecida apenas por suas participações em clipes do Aerosmith, brilha em "Beleza Roubada".

Sinopse: Ainda abalada pelo suicídio de sua mãe, a jovem Lucy Harmon (Liv Tyler) viaja à Itália para desvendar um mistério que leu no diário de sua mãe. Porém, para todos os efeitos, sua viagem tem outro motivo: reencontrar um antigo amor e ser pintada por um importante artista amigo da família.

Por que ver: Mal recebido por boa parte da crítica, o filme impulsionou a carreira da atriz Liv Tyler, que antes era conhecida por participações em clipes do Aerosmith, banda que tem seu pai, Steven, como vocalista. A obra marca um momento menos político e mais lírico da carreira de Bertolucci.

O Céu que nos Protege (1990)

Divulgação
Debra Winger e John Malkovich estrelam "O Céu que nos Protege", filme que marca uma virada na carreira de Bertolucci.

Sinopse: Com seu casamento em crise, os artistas americanos Kit (Debra Winger) e Port Moresby (John Malkovich) viajam para a África, no fim dos anos 1940. O objetivo é buscar novas experiências que possam reascender a chama do casal, mas o resultado é totalmente o contrário do que eles esperavam.

Por que ver: Além da absurda fotografia que rendeu alguns prêmios a Storaro, o filme mostras os caminhos que a carreira de Bertolucci tomariam a partir da década de 1990, quando as questões existenciais perderam o combustível político tão comum em suas obras anteriores.