NOTÍCIAS
22/11/2018 04:20 -02 | Atualizado 27/08/2019 11:56 -03

6 dicas para evitar que a Black Friday se transforme em 'Black Fraude'

Consumidor precisa tomar alguns cuidados para não cair em golpes na hora das compras.

Nacho Doce / Reuters
Black Friday 'de verdade' leva consumidores à loucura.

A Black Friday, uma tradição americana importada pelos brasileiros nos últimos anos, desperta sentimentos conflitantes entre os consumidores por aqui. Apesar de a temporada de descontos já ser bastante aguardada no País, ela ainda é vista por boa parte da população com desconfiança.

Isso porque a tentação de conseguir antecipar as compras de Natal a preços mais camaradas se depara, muitas vezes, com descontos não tão generosos assim. Vez ou outra, as ofertas não passam de um truque para enganar o consumidor mais ansioso - e o menos atento.

Para evitar que a esperada Black Friday acabe se transformando uma "Black Fraude" – apelido que a data ganhou no Brasil justamente pelo alto número de promoções enganosas -, há algumas dicas importantes a serem seguidas, conforme orientação do site Reclame Aqui, especialista na defesa do consumidor.

1. Não acredite em descontos 'milagrosos'

Getty Editorial
Descontos costumam atrair multidão de consumidores, mas é preciso ficar atento aos possíveis golpes.

A Black Friday tende a apresentar ao consumidor preços mais baixos do que no restante do ano, mas não é uma data 'milagrosa'. Por isso, a primeira dica é ficar atento aos preços absurdamente mais baixos do que os praticados costumeiramente.

Segundo o Reclame Aqui, determinadas lojas, até mesmo algumas famosas, tendem a colocar "pegadinhas" para o consumidor. Um exemplo comum é o de reduzir o preço do produto, mas aumentar abusivamente o frete, no caso da venda online.

Há na própria internet sites que prometem mostrar o histórico de preços dos produtos meses antes da Black Friday. Desta forma, o consumidor pode acompanhar a variação que ele sofreu e saber, efetivamente, se o desconto aplicado na data é real ou "fake".

Os principais sites que oferecem esse serviço são: Baixou, Blackfriday.com.br, Buscapé, Já Cotei e Zoom.

2. Pesquise antes de comprar

A segunda dica importante vale não somente para a Black Friday, mas para qualquer situação que envolva a compra de um novo produto.

Pesquise muito antes de clicar no botão "comprar". O ideal é navegar pelo maior número possível de lojas concorrentes para fazer a escolha certa e que melhor se adapte ao seu orçamento sem prejudicar o saldo no fim do mês.

3. Cuidado com as lojas novas

Saber a procedência do produto dos sonhos também é fundamental e, para isso, é obrigação do consumidor consultar a confiabilidade da empresa.

O site do Procon de São Paulo disponibiliza uma lista com os nomes das lojas virtuais que devem ser evitadas. Para saber se seu produto desejado está à venda em uma delas e você está tentado a fazer a compra, consulte a lista aqui.

4. Evite comprar por impulso

Paulo Whitaker / Reuters
Antes de sair comprando, veja se realmente precisa do produto que está à venda...

Um dos maiores erros que os consumidores cometem na Black Friday é a compra por impulso.

Para evitar comprometer o orçamento, pare, pense e veja se você precisa mesmo daquele produto, mesmo que ele esteja em um preço muito abaixo do normal.

Como diz o tweet abaixo, são três os questionamentos fundamentais antes de apertar o botão "confirmar compra" na tela do seu computador:

1. Eu realmente preciso disso?

2. Posso conseguir esse produto usado?

3. Faça uma pausa antes de comprar

5. Cuidado com os dados que fornece

É procedimento comum e necessário o fornecimento de dados pessoais – nome, endereço completo e CPF – para a realização de compras online, assim como os dados do cartão de crédito. Mas cuidado!

Se a empresa solicitar também dados bancários e, principalmente, senhas dos cartões – tanto de crédito quanto do banco – NÃO feche a compra, pois a possibilidade de se tratar de um golpe é gigantesca.

6. Faça sempre a captura das telas

Uma ótima dica para se precaver de possíveis golpes é fazer a captura das telas que forem aparecendo durante os passos da transação de compra.

Desta forma, caso ocorra algum problema na entrega ou na cobrança dos produtos e o consumidor precise confrontar a loja, terá provas que comprovam a má fé ou a falha da empresa em questão.

É importante fazer a captura de toda a tela, e não somente do site, para comprovar a veracidade da imagem.

Com essa seleção de dicas e a atenção redobrada será mais difícil cair na "Black Fraude".