ENTRETENIMENTO
22/11/2018 07:47 -02 | Atualizado 22/11/2018 07:47 -02

'Infiltrado na Klan': Spike Lee aponta nos anos 1970 e acerta em Donald Trump

Novo filme do diretor novaiorquino ataca, com estilo, todos os símbolos do racismo na América sem medo de confrontar gigantes.

Com estreia nos cinemas brasileiros marcada para esta quinta (22), "Infiltrado na Klan" conta uma história da década de 1970 para retratar os EUA da era Trump.
Divulgação
Com estreia nos cinemas brasileiros marcada para esta quinta (22), "Infiltrado na Klan" conta uma história da década de 1970 para retratar os EUA da era Trump.

Spike Lee é e sempre será um provocador. Seu cinema é direto. Nele não há mensagens nas entrelinhas, não há espaço para sutilezas. Reflexo do próprio cineasta, que faz questão de dizer o que pensa sobre qualquer coisa em qualquer oportunidade. Esse estilo "sincerão" rendeu a ele e, por consequência seu cinema, a fama de inflexível. Mas, convenhamos, como tratar do cerne de sua obra, o racismo, sem fortes convicções?

Quando deixa suas posições de lado para fazer filmes como simples peças de entretenimento, Lee nem sempre faz "a coisa certa", mas em Infiltrado na Klan, que estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (22), ele volta a seu habitat natural e acerta em cheio ao atacar todos os símbolos do racismo na América sem medo de confrontar gigantes. De ...E o Vento Levou a Donald Trump, a metralhadora giratória do diretor novaiorquino dispara sem piedade.

Divulgação
Adam Driver e John David Washington em cena de "Infiltrado na Klan".

Mesmo assim, ele não escapa de polêmicas dentro de sua própria comunidade. Como a que apareceu após a publicação do textão do rapper e diretor Boots Riley, que criticou Lee — a quem deixa claro ser uma grande influência em sua obra — por distorcer a história real que usa como base para Infiltrado na Klan, amenizando a história de um policial negro que espionou movimentos negros de resistência. Nada que Lee não coma com mel no café da manhã, já que logo na apresentação do filme há uma sucinta e bem-humorada frase explicando que a obra "meio que se baseia em umas paradas que aconteceram nos anos 1970".

Na trama, o policial negro Ron Stallworth (John David Washington, filho de Denzel Washington), chega a uma cidadezinha no Colorado em 1978 para ser o primeiro policial negro local. Depois de um tempo engolindo sapos no almoxarifado, ele é transferido para a área de inteligência, quando, intrigado com um anúncio no jornal, liga para a sede local da Ku Klux Klan e se associa à sociedade secreta. Por razões óbvias, ele só consegue conversar com os integrantes da KKK por telefone. E é aí que entra seu parceiro branco de origem judia, Flip Zimmerman (Adam Driver), que será o elo físico entre Ron e o grupo racista.

Topher Grace interpreta o ex-líder real da KKK, David Duke.

Mesmo focando sua história nos anos 1970, Lee tem um alvo bem claro e atual: Donald Trump. Seja na presença do ex-líder da Ku Klux Klan, David Duke (interpretado no filme por Topher Grace, o Eric Forman da série That '70s Show), apoiador declarado de Trump; seja por meio de frases e expressões do presidente americano inseridas em falas na trama. E se isso não for suficientemente claro para dar seu recado, o diretor ainda usa cenas reais dos protestos de supremacistas brancos que aconteceu na cidade de Charlottesville em 2017 para concluir sua obra.

Infiltrado na Klan pode ser classificado como uma colcha de retalhos disforme, onde alguns trechos soam como uma comédia de costumes, outros como um filme tese sobre os preconceitos em grandes clássicos do cinema americano, e até partes de um drama sobre a banalização da ignorância. Spike Lee, porém, sabe costurar tudo muito bem, por mais improvável que isso pareça. No final das contas, Infiltrado na Klan é aquilo que de melhor o cinema — e o próprio Lee — sempre foi e nunca deixará de ser: um grito de revolta na multidão.

Divulgação
Spike Lee emulando "Faça a Coisa Certa" na premiere de "Infiltrado na Klan".