ENTRETENIMENTO
20/11/2018 09:03 -02 | Atualizado 20/11/2018 09:03 -02

5 exposições no Google Arts & Culture para celebrar a potência da cultura afro-brasileira

Retratos de reis africanos na atualidade, a história do frevo, a trajetória de Chiquinha Gonzaga e mais.

'Espíritos da África – os Reis Africanos': exposição de fotografias está disponível gratuitamente na plataforma.
Divulgação/Google Arts & Culture
'Espíritos da África – os Reis Africanos': exposição de fotografias está disponível gratuitamente na plataforma.

O Google Arts & Culture é uma plataforma do Google (também disponível em aplicativo) que oferece diversos atrativos para quem deseja aprender mais sobre arte e cultura. Por meio dele, você pode explorar coleções de arte, descobrir obras em alta resolução, conhecer movimentos artísticos, biografias de grandes nomes e ter outras experiências culturais ao redor do mundo de forma gratuita.

A plataforma reúne obras oriundas de mais de 70 países. No Brasil já são mais de 50 instituições parceiras. Entre elas, o Museu Afro Brasil (MAB), espaço localizado no Parque Ibirapuera, em São Paulo, voltado à pesquisa, conservação e exposição de objetos relacionados ao universo cultural do negro no Brasil. A parceria disponibiliza mais de 6 mil obras produzidas entre o século 18 até o dias atuais.

Aproveitando a chegada do dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, o HuffPost Brasil apresenta a seguir uma seleção de 5 exposições de sucesso do Museu Afro Brasil e de outras instituições — disponíveis integralmente no Google Arts & Culture — que resgatam a História e significados da cultura afro-brasileira.

1. O Maracatu e o Guerreiro de Alagoas: Festividades Afro-brasileiras

Divulgação/Google Arts & Culture

Por meio de fotos, mapas, vídeos e textos, essa exposição dupla traça um panorama histórico do Maracatu, criação da população negra pernambucana e uma das festividades carnavalescas mais coloridas do País com seus reis, rainhas, caboclos, vaqueiros e bois-bumbá. Também explica o contexto por trás do Auto dos Guerreiros, representação teatral popular ao ar livre nascida no estado de Alagoas.

2. Espíritos da África – Os Reis Africanos

Divulgação/Google Arts & Culture

Assinada pelo fotógrafo austríaco Alfred Weidinger, a exposição Espíritos da África – Os Reis Africanos reúne retratos de reis e chefes contemporâneos de diversas partes do continente africano. As fotografias, capturadas em 2012 e 2013, mostram que inúmeros monarcas sobrevivem hoje sem poder político na região, mas são fortemente respeitados devido à força da tradição.

3. Arte, Adorno, Design e Tecnologia no Tempo da Escravidão

Divulgação/Google Arts & Culture
Tecnologia no Tempo da Escravidão

Essa exposição mostra o amplo aparato tecnológico trazido e criados pelos negros africanos nos primórdios da colonização brasileira. Os registros de prensas, joias e moinhos revelam que o desenvolvimento de setores como agricultura, pecuária e mineração — que ainda estão na base da sociedade brasileira — foram fortemente marcados pelo trabalho de africanos escravizados e de seus descendentes.

4. Música, Cultura e Resistência

Divulgação/Google Arts & Culture
Música, Cultura e resistência

Filha de militar de alta patente e de uma negra escravizada alforriada, Francisca Edwiges Neves Gonzaga foi uma mulher pioneira na História nacional. Além da vocação para a música (ela escreveu sua primeira peça musical aos 11 anos), Chiquinha Gonzaga também participou de importantes lutas sociais de seu tempo, incluindo a defesa da abolição da escravatura. Essa exposição mostra a história, o talento e o legado da artista e ativista carioca.

5. Na Rua e Para a Rua: O Nascimento do Frevo

Divulgação/Google Arts & Culture
Nascimento do Frevo

Ritmo e movimento cultural, o frevo tem forte influência do negro em sua origem. Os capoeiros, como eram chamados os negros escravizados, estavam sempre fazendo passos gingados e dando assobios agudos. Desse contexto, o frevo herdou a dança acrobática, que foi transformado no decorrer dos anos em diferentes passos. Essas e outras curiosidades estão na exposição Na Rua e Para a Rua: O Nascimento do Frevo idealizada pelo Paço do Frevo, situado no Recife, em Pernambuco.