POLÍTICA
18/11/2018 15:20 -02 | Atualizado 18/11/2018 15:29 -02

Bolsonaro sai em defesa de Tereza Cristina: Ela tem nossa confiança

Futura ministra da Agricultura concedeu incentivos fiscais à JBS quando estava no governo do MS. No mesmo período, ela teve uma "parceria" pessoal com a empresa.

Jair Bolsonaro defende Tereza Cristina, escolhida para o Ministério da Agricultura.
ASSOCIATED PRESS
Jair Bolsonaro defende Tereza Cristina, escolhida para o Ministério da Agricultura.

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse neste domingo (18) que a futura ministra da Agricultura, a atual deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), "goza de toda a confiança" de sua equipe. Confirmada há 11 dias para assumir o ministério no futuro governo, a parlamentar teve o nome citado na imprensa por suposto acordo firmado com a JBS.

"Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela já foi julgada? É apenas um processo representado, [assim] como já fui representado umas 30 vezes na Câmara e não colou nenhuma", afirmou Bolsonaro ao deixar a Arena Carioca 1, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, depois de acompanhar as finais do evento de Jiu-Jitsu Abu Dhabi Grand Slam Rio.

Em seguida, o presidente acrescentou que: "Sou um ser humano e posso errar. Se algum ministro tiver uma acusação grave comprovada, a gente toma uma providência. No momento ela goza de toda a nossa confiança."

Citação de Tereza Cristina

A deputada federal é citada por delatores da JBS, em acordo firmado no ano passado, sobre incentivos fiscais do governo do Mato Grosso do Sul.

Segundo a reportagem da Folha, os delatores entregaram à Justiça documentos com a assinatura da parlamentar no período em que ela ocupava o cargo de secretária estadual de Desenvolvimento Agrário e Produção do Mato Grosso do Sul.

Ela teria concedido incentivos fiscais à empresa dos irmãos Wesley e Joesley Batista quando ocupava essa secretaria estadual, de 2007 a 2014. Nessa mesma época, segundo a Folha, Cristina "arrendava uma propriedade em Terenos (MS)" aos Batista para criação de bois.

Ainda de acordo com o jornal, a política de incentivos fiscais do governo André Puccinelli (MDB-MS) é o alvo principal do acordo de delação premiada que a JBS fechou com a Procuradoria-Geral da República, em 2017, sobre corrupção no Mato Grosso do Sul.

Esporte

Bolsonaro foi à Arena Carioca 1 acompanhar as finais do evento de Jiu-Jitsu Abu Dhabi Grand Slam Rio, organizado pela UAE Jiu-Jitsu Federation. Após as lutas, ele afirmou que o esporte terá "espaço especial" em seu governo, mas não adiantou se a pasta será fundida com a da Educação como foi veiculado pela imprensa.

No evento, depois de ser aplaudido e chamado de "mito" pelos presentes, Bolsonaro recebeu o convite do sheikh Mohammed bin Zayed Al Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi, um dos sete Emirados, para a fase do Gran Slam nos Emirados. "Temos mil brasileiros professores de jiu-jitsu na região. Isso é muito bom. Estamos exportando um serviço bastante saudável", disse.

Segundo o presidente eleito, se confirmada a viagem aos Emirados Árabes, ele também aproveitaria para aprofundar acordos comerciais. Bolsonaro foi ao tatame premiar os 3 vencedores da categoria Faixa Marrom adulta.