ENTRETENIMENTO
12/11/2018 13:36 -02 | Atualizado 12/11/2018 13:47 -02

Euclides da Cunha será o autor homenageado da Flip em 2019

Em tempos de fake news, caráter jornalístico do clássico 'Os Sertões' foi um dos grandes motivos pela escolha do autor.

Autor de "Os Sertões", Euclides da Cunha ficou famoso também quando foi morto em um duelo com Dilermando de Assis, amante de sua esposa.
Reprodução/Senado Federal
Autor de "Os Sertões", Euclides da Cunha ficou famoso também quando foi morto em um duelo com Dilermando de Assis, amante de sua esposa.

Autor de Os Sertões, um dos maiores clássicos da literatura brasileira, Euclides da Cunha (1866–1909) será o escritor homenageado da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) em 2019.

Segundo informou o jornal O Estado de S. Paulo, a escolha da nova curadora do evento, Fernanda Diamant, se deu por uma vontade em dar mais ênfase à não ficção na programação da Flip, que acontece de 10 a 14 de julho.

Para Diamant, que é da revista literária Quatro Cinco Um ao lado do jornalista Paulo Werneck, Os Sertões é uma grande obra da literatura brasileira como um todo, que deu à não ficção um status ainda não alcançado pelo gênero em detrimento à ficção.

O livro nasceu nas páginas do jornal Província de São Paulo, antigo nome do Estadão. Euclides da Cunha foi enviado para cobrir a Guerra de Canudos (1896–1897) para o veículo, e foi de suas impressões que nasceu a obra lançada em 1902.

Em tempos de grande discussão do trabalho dos jornalistas na busca e confirmação dos fatos, a importância do caráter jornalístico de Os Sertões também é apontado por Diamant como um dos grandes motivos para a escolha de Euclides da Cunha como homenageado da festa literária.

Aliás, o próprio escritor teve suas convicções alteradas depois do que presenciou em Canudos. Diferente do que ele achava antes de sua ida ao local do conflito, no interior do estado da Bahia, as vítimas foram, na verdade, Antônio Conselheiro e seus seguidores, e não o governo brasileiro, que promoveu um verdadeiro massacre na comunidade.


Crime marcou a vida de Euclides da Cunha

Muito além de sua grande obra, Euclides da Cunha foi um personagem sui generis.

Além de jornalista, ele foi engenheiro, militar e funcionário público, e sua fama com o grande público extrapolou as questões literárias. Tudo por conta de um caso de adultério que se tornou público quando o autor, ainda com 43 anos, foi assassinado em um duelo com o militar Dilermando de Assis, amante de sua esposa, Ana Emília Ribeiro.

O caso foi retratado em uma mini-série de sucesso da Rede Globo em 1990, chamada Desejo, onde Euclides da Cunha foi interpretado pelo ator Tarcísio Meira, Dilermando por Guilherme Fontes e Ana por Vera Fischer.

Mesmo focando mais nesse caso pessoal de Euclides da Cunha, a minissérie também retratou, mesmo que brevemente, a experiência do escritor em Canudos.

Clique na foto abaixo para ver trechos da produção. Em um deles, Euclides da Cunha (Tarcísio Meira) testemunha o massacre de Canudos:

Divulgação
Guilherme Fontes, Vera Fischer e Tarcísio Meira na minissérie 'Desejo' (1990).