NOTÍCIAS
11/11/2018 13:59 -02 | Atualizado 11/11/2018 14:16 -02

Enem 2018: Estudantes enfrentam 2ª etapa da prova e poucos se atrasam pelo País

Jovens respondem questões de matemática e ciências da natureza; Redes sociais se frustram com o "fim" do "show dos atrasados".

Agência Brasil
Estudantes chegam para fazer a prova do Enem neste domingo (11).

Neste domingo (11), milhões de estudantes voltaram aos 10.718 locais de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 1,7 mil municípios em todo o país para resolver 90 questões de matemática e de ciências da natureza - química, física e biologia.

Na primeira etapa, no último domingo (4), os jovens fizeram as provas de redação, português e ciências humanas, e mais de 1,3 milhão de candidatos dos 5,5 milhões de inscritosfaltaram. Na manhã deste domingo, a taxa de visualização do Cartão de Confirmação da Inscrição superou os 89,5%.

Apesar de a abstenção ter tido o seu menor índice desde 2009, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) fez, nas redes sociais, uma campanha para que os ausentes participassem da segunda etapa. O Enem é uma das portas de entrada para 60% das universidades do País.

"Se você perdeu o primeiro dia de provas, em 4 de novembro, pode fazer as provas do segundo dia, 11 de novembro. Como o Enem também é uma autoavaliação, você poderá testar os seus conhecimentos e terá o seu resultado de maneira individualizada, por áreas de conhecimento", afirmou o instituto.

As provas deste domingo têm duração de 5 horas -- 30 minutos a mais que nas edições anteriores -- e terminam às 18h30 (hora de Brasília).

O gabarito oficial do Enem 2018 será divulgado até ‪14 de novembro e a previsão é que o resultado seja publicado em ‪18 de janeiro de 2019.

A primeira etapa da prova foi alvo de polêmica, incentivada pelo Presidente eleito, Jair Bolsonaro, e um de seus filhos. Eles criticaram, nas redes sociais, uma das questões da prova, na qual o estudante deveria responder se o "dialeto secreto" utilizado por gays e travestis -- e presente no texto anexo -- caracterizava-se como patrimônio linguístico.

"Prezados estudantes, quando vocês forem ser entrevistados para um emprego ou estiverem abrindo um empreendimento aviso: sexualidade, feminismo, linguagem travesti, machismo e etc terão pouca ou nenhuma importância. Portanto, estude também o que lhe deixará apto para a vida", escreveu Eduardo Bolsonaro, deputado eleito por São Paulo, em seu Twitter, no dia seguinte.

Já o presidente eleito disse, na última sexta, que seu governo buscará ter acesso às provas do Enem com antecedência para evitar esse tipo de abordagem.

"Fiquem tranquilos, não vai ter questão sobre isso no ano que vem, nós vamos tomar conhecimento da prova antes", afirmou. O exame é formulado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), subordinado ao MEC (Ministério da Educação).

"Show dos atrasados"

Os portões se fecharam às 13h em ponto e quem esperava por mais um "show dos atrasados" nas redes sociais se frustrou. Neste ano, foram poucos os registros pelas redes de TV de estudantes chegando após o prazo.

Além da maior atenção dos jovens, que chegaram mais cedo, houve ainda o cuidado dos repórteres e cinegrafistas para não cair em "pegadinhas" de quem não ia fazer a prova mas queria garantir uns poucos minutos de fama. O resultado foi decepção nas redes, mas tranquilidade para os candidatos.

Foi a vez de os internautas chorarem no dia do Enem.

Mas teve esse estudante, que, em entrevista à Globonews em Recife, contou ter queimado os pés ao correr descalço para o local de prova. Não deu, mas ele não perdeu o bom humor.

Mas nem todo mundo nas redes estava torcendo pelo pior. O presidente Michel Temer mesmo tuitou nesta manhã para desejar sorte aos candidatos.