08/11/2018 00:00 -02 | Atualizado 08/11/2018 00:00 -02

Monique Braga, a menina que criou uma forma de aproximar livros e pessoas

Ela prova que qualquer um pode embarcar em uma viagem, mesmo sem sair do lugar. “Faço as pessoas embarcarem em emocionantes viagens literárias sem gastar muito”, diz em entrevista ao HuffPost Brasil.

Monique Braga é a 246ª entrevistada do "Todo Dia Delas", um projeto editorial do HuffPost Brasil.
Iana Porto/Especial para o HuffPost Brasil
Monique Braga é a 246ª entrevistada do "Todo Dia Delas", um projeto editorial do HuffPost Brasil.

A estante dela já foi tomada pelos livros. São mais de 700 títulos. Entre eles estão romances, suspenses, aventuras, fantasias e claro, histórias de mulheres inspiradoras também. Todos eles estão disponíveis no "negócio" que Monique Braga de 20 anos, criou há cerca de um ano. "Minha paixão pelos livros acabou virando uma locadora, onde ofereço emocionantes viagens literárias. Um passeio para qualquer lugar do mundo, onde você pode ser o que quiser", conta em entrevista ao HuffPost Brasil.

A universitária de Ciências Contábeis criou a "Viagem Literária", um sistema de aluguel de livros pela internet, logo depois de participar da Bienal do Livro no Rio de Janeiro, em 2017. "Fiquei incomodada com os comentários de pessoas sobre os valores dos livros. Falaram que a educação e a discriminação da leitura é um problema no País todo. Eu não posso mudar esse cenário, mas vi oportunidade ali", relembra.

Faço as pessoas embarcarem em emocionantes viagens literárias sem gastar muito.

Iana Porto/Especial para o HuffPost Brasil
Quase todo dia, no perfil do "Viagens Literárias" são divulgadas as indicações de lançamentos e livros disponíveis para aluguel.

No início, Monique deu início à "locadora de livros" com o que tinha na estante. Até o ano passado, eram 300 livros. Para deixar sua ideia mais profissional, ela pediu contou com a ajuda de uma amiga para pensar a identidade visual e também preparou um contrato simples para os locatários, que se assemelha a um termo de responsabilidade -- com aviso de multa por atraso na entrega ou avaria, fazendo o locatário devolver um livro novo -- . Foi aí que nasceu a "Viagens Literárias". Quem aluga já conhece a marca e sabe dos deveres com o livro. Segundo Monique, até hoje nenhum cliente deixou de devolver.

Para alugar, basta seguir o perfil da locadora nas redes sociais e entrar em contato para alugar qualquer livro. O preço varia de 5 a 7 reais por semana. Assim como nas vídeo-locadoras, clássicas nos anos 90, se o locatário quiser, pode prorrogar o prazo de entrega. Quase todo dia, no perfil são divulgadas as indicações de lançamentos e livros disponíveis para aluguel. "Meu público é diversificado, viu? Atendo adolescentes, jovens, adultos e idosos", afirma Monique. Em média, ela aluga 10 livros por semana e, com o que recebe, compra outros livros para fazer o negócio crecer.

É uma paixão que fiz questão de tatuar. Livros empilhados e uma xícara de café com um coração.

Iana Porto/Especial para o HuffPost Brasil
A paixão por livros e café é tanta, que foi parar na pele.

A paixão de Monique pela leitura começou cedo. Ela guarda uma bíblia ilustrada que ganhou dos pais quando era criança e ainda nem sabia ler. Sua mãe continuou incentivando a filha a ler com contos e histórias infantis, como a obra francesa, O Pequeno Príncipe do escritor francêsAntoine de Saint-Exupéry, por exemplo. E ela não esquece o dia em que quis comprar o primeiro livro por escolha própria. Aos 13 anos, ela decidiu economizar o dinheiro do lanche na escola e conseguiu comprar o livro O Caçador de Vampiros, de Abraham Lincoln.

Daí vieram outras paixões, como a saga Harry Potter de J. K. Rowling. Ela pegou emprestado o livro de uma amiga da escola até conseguir ganhar a saga completa. "Li o quinto livro da saga, mesmo sem ler o primeiro. Engoli a história e quis mais [livros]", lembra.

Gosto de pegar no livro, sentir o cheiro. É a melhor sensação do mundo. Não troco o livro físico por e-book.

Iana Porto/Especial para o HuffPost Brasil
"Cresci vendo minha mãe lutar para me criar, praticamente sozinha. Venho de uma família de mulheres fortes."

A manauara conta que, na adolescência, tentou migrar para leitura via internet, com os e-books. Mas não se adaptou. "É muito estranho. Ler por um tablet ou smartphone é muito impessoal", acredita. E a menina que aluga livros lê muito. Chega a ser acima da média. São pelo menos 3 por semana. Hoje, entre os títulos de suspense e fantasia, os feministas estão ganhando vez. "Cresci vendo minha mãe lutar para me criar, praticamente sozinha. Venho de uma família de mulheres fortes. Estou identificando a força de cada uma delas na leitura", conta.

A mulher tem vez, voz e pode ser o que quiser, como uma personagem inspiradora dos livros.

Iana Porto/Especial para o HuffPost Brasil
"Sejamos todos feministas", o livro da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie é uma das inspirações de Monique.

Ela começou a se interessar pelo tema recentemente e quis entender melhor como o feminismo nasceu e ganhou corpo como uma ferramenta de luta por direitos. Um dos livros procurados por ela foi o Sejamos todas feministas, a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie. "A obra abriu minha mente para o que está acontecendo no mundo inteiro com relação a mulher e os seus direitos. Sem precisar me posicionar oficialmente, entrei para o movimento. Pela luta por direitos."

Sempre achei incrível o poder que a mulher tem de mudar o seu pequeno mundo. Quero ser essa mulher.

Iana Porto/Especial para o HuffPost Brasil
O quarto de Monique aconchega cerca de 700 livros.

Além do perfil no Instagram, ela também tem um canal no YouTube. Nele, ela mostra que se envolve tanto com o que aprendeu sobre feminismo, que procura indicar mais títulos com mulheres como protagonistas ou escritos por elas. A repercussão tem sido interessante, ela conta. "É um tema atual, mas algumas mulheres ainda estão alheias. Lendo, consigo entender histórias para discutir, indicar leituras e deixar o assunto palatável, sem posicionamentos partidários e discussões cansativas".

É assim, em um universo paralelo, único e personalizado, que Monique vem tentando mudar o meio em que vive por meio da leitura. Fazendo seus seguidores buscarem os livros para se tornarem críticos, e acima de tudo, libertos de uma sociedade quase que refém da tecnologia. Ela sonha ter um espaço físico para ter mais contato com outras pessoas. "Se eu mudar um pouquinho a opinião das pessoas, fazendo elas construírem um senso crítico, isso já paga todo meu trabalho todo", diz.

Ficha Técnica #TodoDiaDelas

Texto: Samira Benoliel

Imagem: Iana Porto

Edição: Andréa Martinelli

Figurino: C&A

Realização: RYOT Studio Brasil e CUBOCC

O HuffPost Brasil lançou o projeto Todo Dia Delas para celebrar 365 mulheres durante o ano todo. Se você quiser compartilhar sua história com a gente, envie um e-mail para editor@huffpostbrasil.com com assunto "Todo Dia Delas" ou fale por inbox na nossa página no Facebook.

Todo Dia Delas: Uma parceria C&A, Oath Brasil, HuffPost Brasil, Elemidia e CUBOCC.