ENTRETENIMENTO
08/11/2018 09:37 -02 | Atualizado 08/11/2018 12:16 -02

Estudo indica que super-heróis são mais violentos que vilões

Pesquisa analisou 10 filmes que provam, com números, que os paladinos mascarados são uma ameaça à sociedade.

Pesquisa registra uma média de 23 atos de violência por hora associados a protagonistas de filmes de super-heróis, como o Batman.
Divulgação
Pesquisa registra uma média de 23 atos de violência por hora associados a protagonistas de filmes de super-heróis, como o Batman.

Em alguns filmes, os super-heróis, para a revolta dos fãs, são combatidos por governos e até hostilizados pela população. O que não se podia esperar é que, sim, nossos queridos paladinos da justiça são uma ameaça à sociedade ainda maior que os odiados vilões. Pelo menos é isso que aponta um recente estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia (EUA) e que teve seu resumo apresentado no dia 2 de novembro em uma conferência da Academia Americana de Pediatria que aconteceu em Orlando, na Flórida.

Para a pesquisa foram analisados um total de 10 filmes de super-heróis que figuraram entre as maiores bilheterias de 2015 e 2016, entre eles Vingadores: Era de Ultron, Homem-Formiga, Capitão América: Guerra Civil, Batman vs Super-Homem: O Despertar da Justiça,Deadpool, Esquadrão Suicida e Doutor Estranho.

Segundo retratado no pelo site EurekAlert!, o estudo registra uma média de 23 atos de violência por hora associados a populares protagonistas de filmes do gênero, contra 18 causados por seus antagonistas. E esse número é ainda maior quando os personagens são do sexo masculino. Os heróis homens são 5 vezes mais violentos que as mulheres mascaradas. Eles cometem 34 atos violentos por hora, contra apenas 7 delas.

A ação mais comum de violência associada aos super-heróis foi a agressão física (1.021 atos), seguido do uso de arma letal (659), destruição de propriedade (199), assassinato (168) e intimidação e/ou tortura (144). Já entre os vilões, o ato violento mais comum foi o uso de arma letal (604), agressão física (599), intimidação e/ou tortura (237), destruição de propriedade (191) e assassinato (93).

O estudo completo, com mais detalhes, ainda não foi publicado em sua totalidade.