ENTRETENIMENTO
06/11/2018 15:34 -02 | Atualizado 06/11/2018 16:57 -02

Ana Paula Maia, Aline Bei e Cristina Judar conquistam Prêmio São Paulo de Literatura

Escritoras venceram nas três categorias da premiação em feito inédito.

Autoras receberão valores que variam entre R$ 100 mil a R$ 200 mil.
Montagem/Divulgação
Autoras receberão valores que variam entre R$ 100 mil a R$ 200 mil.

Ana Paula Maia, Cristina Judar e Aline Bei foram as grandes vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura, anunciado nesta segunda-feira (5), na Biblioteca do Parque Villa-Lobos, na zona oeste da capital paulista. Esta foi a primeira vez desde a criação do prêmio em 2013, que três mulheres são agraciadas nas três categorias da premiação.

Divulgação
Assim na Terra como Embaixo da Terra

A carioca Ana Paula Maia levou o prêmio principal e o valor de R$ 200 mil pelo livroAssim na Terra como Embaixo da Terra, publicado pela editora Record. A obra é ambientada em uma colônia penal que torna um campo de extermínio. A trama tem inspiração no conto Na Colônia Penal, de Franz Kafka (1883-1924).

De acordo com a Folha de S. Paulo, o júri destacou que o romance "propõe uma poderosa metáfora para situações vividas no momento atual e faz uma provocação para que se olhe de forma questionadora para o nosso passado enterrado em tantas 'Colônias' esquecidas".

Divulgação
O Peso do Pássaro Morto

Já paulistana Aline Bei, de 31 anos, ganhou na categoria Melhor Romance de Autor com Menos de 40 anos. Seu livro de estreia, O Peso do Pássaro Morto, publicado pela editora Nós, acompanha a vida de uma mulher dos 8 aos 52 anos.

Divulgação
Oite do Sete

Cristina Judar, de 47 anos, ganhou na categoria voltada para autores com mais de 40 anos também por um romance de estreia. Lançado pela editora Reformatório, Oito do Sete é narrado por diferentes vozes: um anjo, uma cidade e duas amantes. A obra da jornalista paulistana também concorre ao Prêmio Jabuti. Cristina e Aline ganharão R$ 100 mil cada uma.

O Prêmio São Paulo é concedido pela Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. O júri final deste ano foi composto pelo editor Jiro Takahasi; Ubiratan Brasil, editor do Caderno 2 do Jornal O Estado de S. Paulo; Julián Fuks, escritor. Moacir Amâncio, professor da USP; e Neide de Almeida, socióloga e consultora em literatura e leitura.