NOTÍCIAS
29/10/2018 11:40 -03 | Atualizado 29/10/2018 11:47 -03

Após resultado de eleições, jovem é agredida por policial em Salvador

Secretaria de Segurança diz que agentes agiram para evitar 'brigas generalizadas'; governador condena violência policial

Reprodução/ Twitter
Imagem divulgada em redes sociais mostra jovem agredida por PM deitada no chão

Após a definição do resultado das eleições, que deu a vitória a Jair Bolsonaro (PSL), na noite de domingo (28), uma jovem foi agredida por um policial em Salvador e outro policial foi preso após fazer disparos e ferir 4 pessoas, também na capital baiana.

Vídeos divulgados na noite de domingo pelas redes sociais mostram um policial batendo com um cassetete na cabeça da estudante Janaína Barata, de 19 anos, que vestia uma camiseta com o rosto do ex-presidente Lula (PT). As imagens também mostram a jovem depois deitada no chão, com o nariz ensanguentado e sendo amparada por pessoas em volta.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSA-BA) afirmou que "a confusão começou durante passagem de alguns veículos que comemoravam o resultado da eleição para presidente da república".

Segundo a SSP, os PMs que estavam no local agiram para evitar brigas generalizadas e também foram agredidos. Nesse momento, "usaram força proporcional".

"Alguns objetos foram atirados nos carros, e os PMs agiram rápido evitando brigas generalizadas. Neste momento, os militares foram agredidos e usaram força proporcional. Uma mulher, ainda não identificada, foi detida", diz o comunicado.

A nota afirma que, após o ocorrido, o policiamento da área foi reforçado e confirma que uma mulher foi ferida e outra, detida por desacato. Um tiro para cima foi disparado durante a condução da militante até a viatura, "com objetivo de dispersar o grupo que ameaçava liberar a mulher", informa o texto.

Janaína é estudante de Bacharelado Interdisciplinar de Humanidades, na Universidade Federal da Bahia (UFBA) e estava participando de manifestação em frente no Largo da Dinha, no bairro do Rio Vermelho, local em que apoiadores do PT, partido de Fernando Haddad, se reuniram em manifestação.

Segundo o jornal Correio da Bahia, a jovem tentou defender um eleitor de Haddad em um conflito entre manifestantes e policiais no momento em que foi agredida. "Quando vi, Janaína estava discutindo com a polícia. Peguei ela, puxando pra ela parar de discutir. Aí agrediram ela com um cassetete", disse Tainá Barata, irmã da jovem, ao jornal.

Após ser socorrida, a jovem foi encaminhada para o Hospital Geral do Estado (HGE) e teve alta na manhã desta segunda-feira (29). Mário Scaldaferri, advogado da vítima, criticou a ação da polícia, classificada por ele como "desmedida".

"Pelas imagens, podemos perceber a presença de vários policiais no local e, agora, estamos tentando identificar o autor das agressões. Ela foi atingida na cabeça e, após cair no chão, ainda levou chutes", disse o advogado, segundo o G1.

Governador condena violência policial

Também na noite de domingo, no bairro da Barra, em Salvador, local em que manifestantes pró-Bolsonaro se reuniram após o resultado das eleições, um soldado da Polícia Militar foi preso após efetuar disparos de arma de fogo e ferir quatro pessoas no local.

De acordo com informações divulgadas pela SSP-BA, o incidente aconteceu após o policial Manoel Landulfo Sampaio discutir com um ambulante. Ele teria sacado a arma e disparado vários tiros, atingindo quem estava por perto. No total, 4 pessoas.

O PM foi detido em flagrante. Ainda segundo a SSP-BA, as vítimas foram encaminhadas para os hospitais Português e Geral do Estado. Até o momento não foram divulgadas identidades ou outras informações sobre o estado de saúde delas.

Os atos de violência foram condenados pelo governador da Bahia, Rui Costa (PT). Em sua conta no Twitter, ele afirmou ter determinado "ampla e rigorosa apuração da ação policial" e que o caso será levado imediatamente à Corregedoria da Polícia Militar.