ENTRETENIMENTO
28/10/2018 09:24 -03 | Atualizado 28/10/2018 10:05 -03

Mesmo advertido, Roger Waters dispara contra Bolsonaro em Curitiba

Ex-Pink Floyd mostrou mais uma vez um "Ele Não", 30 segundos antes do prazo estipulado pela Justiça.

Em sua passagem por Curitiba, Roger Waters deu um "jeitinho" para fazer mais uma crítica a Jair Bolsonaro.
Mario Anzuoni / Reuters
Em sua passagem por Curitiba, Roger Waters deu um "jeitinho" para fazer mais uma crítica a Jair Bolsonaro.

Advertido pela Justiça Eleitoral do Paraná a evitar qualquer manifestação de cunho político-partidário em seu show na capital Paranaense, o ex-Pink Floyd Roger Waters deu um jeitinho de mandar seu recado contra o candidato à Presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Apenas 30 segundos antes das 22h (horário estipulado para o cumprimento da lei eleitoral brasileira), o telão da apresentação do cantor e compositor inglês, que aconteceu neste sábado (27), mostrou a frase: "Temos 30 segundos. Essa é nossa última chance de resistir ao fascismo antes de domingo."

Veja o vídeo publicado pelo jornalista americano Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, que disse no Twitter "Aqui está o vídeo de Roger Waters. Com a ameaça explícita de prisões, sua equipe estava obviamente preocupada. Afinal, o show que ele fez hoje é em Curitiba, onde Lula está preso. Mas ele insistiu":

Entenda o caso

Em suas apresentações no Brasil, Roger Waters posicionou-se contra o candidato à presidênciaJair Bolsonaro, colocando, em um telão, o nome do candidato do PSL em uma lista de líderes que considera facistas. Além disso, Waters também usou a hashtag #elenão, símbolo utilizado por movimentos de mulheres contra Bolsonaro.

Tudo começou no show que o roqueiro fez no Allianz Parque, em São Paulo, no dia 9 de outubro.

O posicionamento politico irritou fãs que apoiam o presidenciável, para o espanto de Waters, que, em sua segunda apresentação na capital Paulista, substituiu o nome do politico brasileiro pela palavra "censurado".

Já em sua passagem pelo Rio de Janeiro, o ex-Pink Floyd voltou a desagradar os seguidores de Bolsonaro quando fez uma homenagem à Marielle Franco, vereadora do Psol assassinada em março de 2018.