POLÍTICA
29/10/2018 00:54 -03 | Atualizado 29/10/2018 01:25 -03

MDB e PSDB perdem força nos estados, e partido de Bolsonaro elege 3 governadores

Em sua primeira eleição geral, partido Novo elege governador em Minas Gerais e derrota candidato tucano.

Montagem/Getty Images/Facebook
Comandante Moisés (PSL), Romeu Zema (Novo) e João Doria (PSDB) foram eleitos em 2º turno.

Nas eleições de 2018, partidos tradicionais como MDB e PSDB perderam espaço entre os governadores eleitos enquanto o PSL, do presidente Jair Bolsonaro, elegeu 3 nomes. Em sua primeira disputa geral, o Novo também conquistou o Executivo estadual.

Além de expandir de 8 para 52 a bancada da Câmara dos Deputados, o PSL elegeu Comandante Moisés (71,09%) em Santa Catarina, Coronel Marcos Rocha (66,34%), em Rondônia, e Antonio Denarium (53,36%), em Roraima.

Na primeira disputa em eleições gerais, o Novoconquistou o governo de Minas Gerais, com Romeu Zema. O empresário eleito com 71,80% dos votos, venceu Antonio Anastasia (PSDB). Foi a única vitória para o cargo de governador na legenda registrada na Justiça Eleitoral em 2015.

O empresário mineiro assumiu em 1991 o comando do Grupo Zema, empresa com mais de 800 estabelecimentos, incluindo lojas de eletrodomésticos, distribuição de combustíveis, concessionárias e financeiras. Ele apoiou Bolsonaro na disputa eleitoral, assim como diversos candidatos que tentaram pegar carona na popularidade do capitão reformado.

MDB e PSDB perdem espaço

Partidos tradicionais, como MDB e PSDB, perderam espaço. Em 2014, quando se chamava PMDB, a sigla foi a que mais elegeu governadores. Foram 7 naquele ano. Os tucanos, por sua vez, tinham o comando de 5 estados e agora caíram para 3.

Legenda do presidente Michel Temer, o MDB garantiu neste ano 3 estados: a reeleição de Sarney Filho, em Alagoas, e a vitória de Ibaneis Rocha, no Distrito Federal, e de Helder Barbalho, no Pará.

Eleito no segundo turno com 69,79% dos votos, Ibaneis derrotou Rodrigo Rollemberg (PSB), que tentava a reeleição. O advogado e empresário emedebista foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no DF e filiou-se à legenda em 2017. Foi o candidato na unidade da federação com maior patrimônio declarado, de R$ 93,7 milhões.

Desgastado devido ao envolvimento de integrantes como o senador Aécio Neves em escândalos de corrupção e a divergências sobre a postura no governo Temer, o PSDB elegeu Reinaldo Azambuja, no Mato Grosso do Sul, Eduardo Leite, no Rio Grande do Sul, e João Doria, em São Paulo.

O PT, por outro lado, é a legenda com mais governadores eleitos, mas elegeu representantes apenas no Nordeste, o que reforça a divisão no resultado eleitoral vista na disputa presidencial. Foram reeleitos Rui Costa, na Bahia; Camilo Santana, no Ceará; e Wellington Dias, no Piauí. No Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra venceu no segundo turno, com 57,60%.

Entre os que melhoraram o desempenho, por sua vez, está o DEM. Em 2014, o partido não elegeu governadores. Agora conquistou o comando de Goiás, com Ronaldo Caiado, e do Mato Grosso, com Mauro Mendes. A legenda foi uma das mais enfáticas na defesa do impeachment de Dilma Rousseff e fez parte do governo de Michel Temer. Também ganhou destaque a partir de 2016 com a eleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para presidência da Câmara dos Deputados.

O PSC, que em 2014 não tinha representantes entre os governadores, conquistou 2 estados: Amazonas, com Wilson Lima, e Rio de Janeiro, com o juiz Wilson Witzel. A legenda com bandeiras moralistas conservadoras, como ser contrária ao casamento homoafetivo, é presidida pelo Pastor Everaldo.

Veja e compare o mapa das eleições em 2014 e 2018:

Suellen Samara/Especial para HuffPost Brasil
Mapa eleitoral de 2018

Governadores eleitos em 2018

PT: 4

Rui Costa (Bahia)

Camilo (Ceará)

Wellington Dias (Piauí)

Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte)

PSDB: 3

Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul)

Eduardo Leite (Rio Grande do Sul)

João Doria (São Paulo)

PSL: 3

Comandante Moisés (Santa Catarina)

Coronel Marcos Rocha (Rondônia)

Antonio Denarium (Roraima)

MDB: 3

Renan Filho (Alagoas)

Ibaneis Rocha (Distrito Federal)

Helder Barbalho (Pará)

PSB: 3

Renato Casagrande (Espírito Santo)

João (Paraíba)

Paulo Câmara (Pernambuco)

DEM: 2

Ronaldo Caiado (Goiás)

Mauro Mendes (Mato Grosso)

PSD: 2

Ratinho Junior (Paraná)

Belivaldo Chagas (Sergipe)

PSC:2

Wilson Lima (Amazonas)

Wilson Witzel (Rio de Janeiro)

PP: 1

Gladson Cameli (Acre)

PCdoB: 1

Flávio Dino (Maranhão)

Novo: 1

Romeu Zema (Minas Gerais)

PHS: 1

Mauro Carlesse (Tocantins)

PDT: 1

Waldez (Amapá)

Suellen Samara/Especial para HuffPost Brasil
Mapa eleitoral de 2014