ENTRETENIMENTO
29/10/2018 01:45 -03 | Atualizado 29/10/2018 01:51 -03

20 anos de '...Baby One More Time', o single de estreia que ninguém conseguiu superar

Esse clássico absoluto do pop acaba de completar duas décadas de idade.

Existem certas canções que são tão onipresentes, estão tão entranhadas em nossa memória, são tão sinônimos de cultura popular, que seu brilho técnico infelizmente muitas vezes acaba passando batido.

Com seu catálogo de canções, Britney Spears tem vários exemplos disso. Quando foi a última vez que você realmente apreciou as cordas de Toxic? Ou as muitas nunces de Womanizer? Ou como é inteligente a frase icônica "It's Britney, bitch" na abertura de Gimme More?

Mas a canção que ficou mais arraigada em nossa consciência coletiva é também sua canção de estreia, ...Baby One More Time. E isso é impressionante.

Como o primeiro single de uma artista, ...Baby One More Time é um triunfo absoluto. Não consigo pensar em nenhuma outra artista que tenha criado um impacto tão tremendo com sua primeira criação musical e que, crucialmente, tenha conseguido ter uma carreira de sucesso no pop depois disso.

A principal razão disso é que ...Baby One More Time é uma canção à qual não há como não prestar atenção, e isso quer dizer que a mesma coisa se aplicou a Britney a partir do momento que ela entrou para o campo de atenção pública.

Jive

...Baby One More Time prende nossa atenção desde o começo, e uma parte enorme da razão é a introdução, com três notas ao piano, indicativa da década em que a música foi lançada e ao mesmo tempo completamente diferente de qualquer coisa lançada nos nove anos anteriores: metade house music, metade remetendo estranhamente ao tema de Tubarão.

Essas três notas novas são repetidas ao longo de toda a introdução, deixando o espectador numa expectativa tão grande de que elas vão voltar que é quase um alívio quando isso acontece. E então... então as coisas realmente começam a esquentar.

"Oh baby, baby..."

Vale mencionar que a letra de ...Baby One More Time é uma das mais estranhas usadas por uma cantora teen para se lançar. Aquele "baby, baby" reaparece o tempo todo ao longo dos versos, e a cada vez penetra mais fundo nos nossos ouvidos.

Os puristas que têm todo um discurso sobre a "música verdadeira" provavelmente lhe dirão que isso é fútil, que não faz sentido ou que aquelas repetições de "baby, baby" estão ali apenas para encher linguiça, mas pense em qualquer canção pop que foi um sucesso tremendo nos últimos 20 anos (Umbrella, Bad Romance, Can't Get You Out Of My Head) – todas têm algumas seções importantes que são repetidas e muitas vezes não fazem sentido, mas todas funcionam muito, muito bem.

Além disso, como desprezar a letra de ...Baby One More Time quando ela é tão expressiva e dramática? Sim, é verdade que há duas décadas acompanhamos a canção cantando sem prestar muita atenção à letra. Mas se você a decompuser realmente, verá que o tema da canção é um sentimento de desespero e tormenta.

"Oh baby, baby, the reason I breathe is you" ("baby, baby, a razão por que eu respiro é você", canta Britney no segundo verso. "Oh pretty baby, there's nothing that I wouldn't do" ("lindo baby, não há nada que eu não faria").

É um sentimento intenso, e isso mesmo sem levar em conta aquele refrão, "my loneliness is killing me" ("minha solidão está me matando") – um verso ao qual ela voltaria mais tarde em Stronger, outra co-produção de Max Martin e Rami --, "when I'm not with you I lose my mind" ("quando não estou com você eu enlouqueço"), e o gancho suplicante da canção, "give me a sign, hit me baby one more time", ("me dê um sinal, baby, me bata mais uma vez"), um verso que Britney, então ainda adolescente, se apressou a negar que fosse uma alusão a violência doméstica, dizendo que era uma súplica desesperada ao namorado que ela queria que voltasse para ela.

L. Busacca via Getty Images

Em 1998, se uma artista quisesse fazer sucesso com seu single de estreia, era melhor que tivesse um videoclipe para acompanhá-lo. E é quase impossível separar ...Baby One More Time do vídeo que o acompanha, em que Britney, de maria-chiquinha, dança numa escola antes chamada Rydell High, cochilando durante uma aula e comandando uma seção de dança na quadra de basquete.

...Baby One More Time imediatamente provocou discussões tremendas. Comentaristas discutiram se o clipe era ou não hiperssexualizado, um tema que perseguiria constantemente os primeiros anos da carreira de Britney, desde a piscadela de "I'm not that innocent" ("não sou tão inocente assim") em Oops!... I Did It Again até as partes mais maduras de seu terceiro e quarto álbuns, Britney e In the Zone.

Quer tenha sido intencional ou não, essa polêmica destacou tremendamente o perfil de Britney. Muitas de suas fãs mais jovens sequer tinham consciência de que havia uma discussão rolando (vale lembrar que a maioria delas tinha idade para usar uniforme escolar e maria-chiquinha, elas próprias), e essa discussão impeliu Britney para o primeiro plano da cultura pop, onde, para melhor ou pior, ela permanece desde então.

Tudo isso em torno de duas marias-chiquinhas e um casaquinho cinza? É mesmo?

Aquele vídeo de ...Baby One More Time termina do mesmo jeito que começou, com Britney, entediada, ainda sentada na sala de aula, de olho no relógio. Mas antes de a tela apagar, sua boca se curva num sorrisinho maroto, um momento que deixa seu carisma natural transparecer.

E é exatamente essa a questão fundamental, porque a verdadeira estrela de ...Baby One More Time não é o produtor e compositor Max Martin, não é o sample de piano, não são os ganchos de "baby, baby" nem sequer o uniforme de colegial. É a própria Britney.

Já virou uma anedota da música pop o número de pessoas que rejeitaram ...Baby One More Time antes da música chegar às mãos de Britney, porque não achavam que seria um sucesso. Mas quando a ouviram ou a gravaram, ainda lhe faltava seu ingrediente mais crucial – a presença de Britney Spears.

Do mesmo modo como apenas Kylie poderia fazer Can't Get You Out Of My Head funcionar e que ninguém conseguiria convencer em Umbrella tanto quanto Rihanna, ...Baby One More Time foi feita para Britney, que canta a canção como mais ninguém, mesmo alguém que tenha uma gama vocal "tecnicamente" melhor que ela ou um estilo de performance superior.

...Baby One More Time é uma canção que foi feita para ser gravada por uma cantora que é verdadeiramente dotada de "star power", uma qualidade que não pode ser aprendida nem comprada, e, em seus dias melhores, isso é algo que Britney Spears possui ao cubo. Foi uma união perfeita, e é por isso que ainda estamos falando sobre ...Baby One More Time, cantando junto e curtindo a canção, 20 anos depois de seu lançamento.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.