NOTÍCIAS
20/10/2018 14:45 -03 | Atualizado 20/10/2018 17:07 -03

Sábado dos presidenciáveis: Haddad chama Bolsonaro de ‘aberração’ e candidato do PSL 'abraça' Nordeste

A 8 dias do 2º turno das eleições presidenciais, clima entre os candidatos é cada vez mais quente.

Bolsonaro x Haddad: Clima está quente a 8 dias do 2º turno das eleições.
Reuters Photographer / Reuters
Bolsonaro x Haddad: Clima está quente a 8 dias do 2º turno das eleições.

A oito dias da realização do 2º turno das eleições para presidente da República, o clima entre os candidatos Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) está cada vez mais quente.

Sem poder confrontar o ex-capitão do Exército nos debates, já que Bolsonaro confirmou que não participará de nenhum, o petista Fernando Haddad endureceu o tom em sua passagem por Fortaleza neste sábado (20).

Em um discurso inflamado, Haddad culpou "a elite" brasileira pelo crescimento de Bolsonaro no cenário político e rotulou o rival na corrida pela sucessão de Michel Temer de "soldadinho de araque" e "aberração".

"A elite passou anos escolhendo alguém para as eleições e inventaram essa aberração. É um soldadinho de araque que não tem compromisso com a liberdade dos civis. Uma figura doentia, que só tem ódio", declarou.

Em um post no Twitter, Haddad agradeceu o apoio da população cearense e disse que "juntos estão desmontando as mentiras do lado de lá", em clara alusão à polêmica envolvendo a suposta ação de empresas a favor de Bolsonaro em grupos no Whatsapp para disseminação de notícias falsas contra o PT.

O candidato do PT pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que não esmoreça na investigação sobre o escândalo envolvendo empresários e whatsapp.

"Esperamos que com o tranco essas denúncias tragam a prisão preventiva de algum empresário para que eles denunciem, em delação, o que aconteceu na campanha dele [Bolsonaro]".

Bolsonaro grava programa e dá rápida entrevista

Atacado novamente por Fernando Haddad, Jair Bolsonaro manteve a estratégia adotada desde o ataque à faca que sofreu no início de setembro e não realizou campanha pelas ruas.

O candidato do PSL gravou seu novo programa eleitoral gratuito neste sábado e concedeu uma rápida entrevista coletiva no Jardim Botânico, zona sul do Rio de Janeiro.

O foco de Bolsonaro no programa que foi ao ar nos canais de televisão foi mais uma vez o Nordeste, valorizado durante boa parte dos 5 minutos de inserção.

"Nordestino tem palavra e eu sei que o senhor também tem. É no seu olho que eu estou olhando. Até a vitória", diz o texto, narrado por uma voz com sotaque nordestino em tom de apoio ao candidato do PSL.

"Olhando nos seus olhos. O Bolsa Família terá o 13º salário. Aqueles que merecem continuarão recebendo o Bolsa Família e juntos mudaremos o destino dessa nação".

Já na rápida entrevista, o candidato desconversou quando questionado se pretende manter na presidência do Banco Central o atual mandatário, Ilan Goldfajn.

"Nem tudo tem que ser mudado do governo Temer. O que está dando certo não tem que ser mudado, mas tem muita coisa errada também".

Tal declaração gerou resposta imediata de Haddad em suas redes sociais.

Manifesto favorável

Bolsonaro também recebeu o apoio de um grupo de 300 profissionais da área jurídica por meio de um manifesto.

Uma das principais participantes do projeto é Janaína Paschoal, correligionária de Bolsonaro no PSL e uma das autoras do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Em sua conta no Twitter, o candidato fixou um post no qual se refere ao candidato petista como "canalha" e "cara de pau".