POLÍTICA
16/10/2018 15:49 -03 | Atualizado 16/10/2018 16:24 -03

Sem debate com Bolsonaro, Haddad parte para confronto direto no Twitter

Segundo o petista, "tuitar e fazer live é fácil": "O povo quer ver você na entrevista de emprego."

Haddad confronta Bolsonaro no Twitter.
Reuters
Haddad confronta Bolsonaro no Twitter.

Sem previsão de enfrentar o adversário Jair Bolsonaro (PSL) em um debate ao vivo, o presidenciável Fernando Haddad (PT) resolveu confrontá-lo em um dos ambientes em que a campanha do opositor é mais ativa: nas redes sociais.

Nesta terça-feira (16), o perfil oficial do petista respondeu a um dos tuítes de Bolsonaro e fez o convite: "O povo quer ver você na entrevista de emprego."

Em resposta ao tuíte petista, Bolsonaro sugere que Haddad recebe ordens do ex-presidente Lula quando o visita em Curitiba. E provoca: "Cuidado que pelo desenrolar das notícias você pode ser o próximo."

Essa foi a brecha para Haddad. O petista reforçou o pedido para que Bolsonaro participasse dos debates.

Bolsonaro é o primeiro candidato à presidência a faltar em debates na disputa de 2º turno. A estratégia já foi usada por políticos como Lula e FHC, mas sempre na primeira rodada do pleito.

Em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, o militar da reserva admitiu que sua abstenção aos debates é vista como "estratégica".

"Existe a possibilidade, sim, estratégica", admitiu Bolsonaro. "Eu vou debater com um cara que nem poste é? É um fantoche, é um pau mandado. Age como camaleão. As cores do PT agora são verde e amarela", continuou o candidato

Líder nas pesquisas com 59% das intenção de voto neste 2º turno, Jair Bolsonaro cancelou a sua participação nos debates televisionados após ter passado por avaliações médicas na última semana. Ele está se recuperando de cirurgias feitas em setembro, devido ao atentado que sofreu durante ato de campanha em Minas Gerais.

De acordo com o Estadão, o candidato do PSL vai passar por uma nova avaliação médica na próxima quinta-feira (18). A equipe de profissionais irá viajar até o Rio de Janeiro para analisar se Bolsonaro poderá ou não participar de futuros debates.