POLÍTICA
16/10/2018 20:41 -03 | Atualizado 16/10/2018 21:50 -03

Bolsonaro no SBT: 'No Brasil não dá para falar em mais ricos, estão todos sufocados'

Candidato diz que, se eleito, não vai aumentar impostos dos mais ricos. Estudo aponta Brasil como país mais desigual do mundo.

"Se você aumentar a carga tributária dos mais ricos, o capital vai fugir", disse Jair Bolsonaro.
Reprodução/SBT
"Se você aumentar a carga tributária dos mais ricos, o capital vai fugir", disse Jair Bolsonaro.

Jair Bolsonaro, candidato do PSL à Presidência, disse nesta terça-feira (16) que, se eleito, não vai criar nem aumentar impostos, nem mesmo dos contribuintes mais ricos. Para Bolsonaro, a crise econômica atinge a todos os brasileiros da mesma maneira.

"Eu acho que no Brasil você não pode falar em mais ricos, está todo mundo sufocado. Se você aumentar a carga tributária dos mais ricos – como a França fez no governo anterior e o capital foi para a Rússia –, o capital vai fugir. A carga tributária é enorme", afirmou o candidato em entrevista ao jornalista Carlos Nascimento, no SBT.

Estudos recentes revelam, porém, que a desigualdade no Brasil é uma das maiores do mundo.

Um deles é a Pesquisa Desigualdade Mundial 2018, coordenada pelo economista francês Thomas Piketty e divulgada em dezembro de 2017. De acordo com o levantamento, 27% da renda do Brasil está nas mãos de apenas 1% da população, a maior concentração de renda do mundo.

O estudo de Piketty aponta que a renda cresceu para todos, inclusive para os mais pobres, mas conclui que foram os ricos que abocanharam a maior fatia do crescimento.

Desemprego e privatizações

Questionado sobre como resolver o problema do desemprego, que atinge mais de 13 milhões de brasileiros, Bolsonaro disse que "não tem resposta imediata".

"Nós temos que facilitar a vida de quem produz, temos que tirar o Estado do cangote de quem realmente dá emprego", afirmou.

O candidato disse ainda que, junto do economista Paulo Guedes, irá colocar em prática um amplo projeto de privatizações.

"Nós vamos, sim, partir para a política de privatização, com responsabilidade. Não só o sistema financeiro, mas os brasileiros também vão se orgulhar dessa nossa proposta", concluiu.

Assista à entrevista: