POLÍTICA
12/10/2018 13:35 -03 | Atualizado 12/10/2018 14:00 -03

2º turno: Propaganda de Haddad é marcada por críticas a Bolsonaro e apelo à democracia

"Essa campanha não é de um partido, é de todos que querem mudar para melhor o País. Quero contar com todos que são a favor da democracia e direitos do povo."

Reprodução/PT

Primeiro programa eleitoral do 2º turno da candidatura de Fernando Haddad (PT) à Presidência da República na televisão começa com os relatos de casos de agressão registrados após o 1º turno, em 7 de outubro.

Além dos registros recentes, a propaganda destaca o caso de violência contra o adversário, o candidato Jair Bolsonaro(PSL). "Ele mesmo fica excitando a violência. Ele mesmo sofreu com a violência", diz uma suposta eleitora de Haddad. Bolsonaro foi vítima de um atentado com faca no dia 6 de setembro e ainda se recupera.

Com a mira no adversário, a propaganda ressalta que o deputado estadual eleito no Rio de Janeiro Rodrigo Amorim, do mesmo partido de Bolsonaro, quebrou a placa em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada em março deste ano.

"Se a violência já chegou nesse nível, imagina se ele fosse presidente", diz trecho da peça.

Assista à integra:

Família e Deus

O vídeo exalta a formação pessoal de Haddad. Diz que seu maior ídolo é o avô e a maior paixão, a esposa Ana Estela. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Operação Lava Jato, aparece enaltecendo a competência do candidato.

Haddad faz um agradecimento a Deus e ao eleitor que o ajudou a chegar no segundo turno. "Nossa luta é por democracia, que sempre será o nosso caminho", assegura.

Em seguida, o candidato faz um aceno aos eleitores que votaram em outros candidatos. "Essa campanha não é de um partido, é de todos que querem mudar para melhor o País. Vamos unir, a hora é agora. Quero contar com todos que são a favor da democracia e direitos do povo", finaliza.