POLÍTICA
09/10/2018 18:56 -03 | Atualizado 10/10/2018 16:35 -03

Alckmin para Doria: 'Traidor eu não sou'

Derrotado na disputa à Presidência, Alckmin subiu o tom contra Doria em reunião do PSDB. Partido optou pela neutralidade no 2º turno.

PSDB em crise: João Doria foi chamado de traidor pelo padrinho político, Geraldo Alckmin.
Paulo Whitaker/Reuters
PSDB em crise: João Doria foi chamado de traidor pelo padrinho político, Geraldo Alckmin.

Derrotado na disputa pela Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB) criticou nesta terça-feira o candidato ao governo de São Paulo, João Doria (PSDB), durante reunião a portas fechadas da Executiva Nacional do partido, em Brasília.

De acordo com áudio do encontro obtido pelo Estadão, Alckmin chamou Doria de "temerista" e insinuou que foi traído pelo ex-prefeito de São Paulo, de quem foi padrinho político. "Traidor eu não sou", disse Alckmin.

A crítica de Alckmin foi feita no momento em que Doria dizia que, passada a eleição, o PSDB deve fazer uma avaliação sobre erros e acertos nas campanhas. "O 'temerista' não era eu, não", interrompeu Alckmin. "Você, você, você", continuou o ex-governador, que era contra a entrada do partido no governo Michel Temer, o mais impopular da história.

Alckmin foi o fiador da ascensão de Doria dentro do PSDB e apoiou a candidatura do empresário para a Prefeitura de São Paulo em 2016. Eleito no primeiro turno, Doria logo passou a cogitar a possibilidade de disputar a Presidência, e o movimento foi interpretado como traição no ninho tucano.

Alckmin, porém, venceu a disputa de forças e se lançou candidato da sigla ao Planalto, deixando para Doria a corrida pelo governo do estado. Doria disputará o segundo turno contra Márcio França (PSB), atual governador.

Neutralidade

Após a reunião, o PSDB anunciou que ficará neutro neste 2º turno da disputa presidencial, mas os seus filiados estão livres para apoiar quem quiserem.

"Nós não apoiaremos nem o PT nem o candidato Bolsonaro. O partido não apoiará nem um nem outro e libera seus filiados e líderes para que decidam de acordo com sua consciência", disse Alckmin, que é presidente do partido.

Doria declarou apoio a Bolsonaro ainda no domingo (7), logo após a confirmação do 2º turno entre o capitão da reserva e Fernando Haddad (PT).