POLÍTICA
07/10/2018 14:24 -03 | Atualizado 07/10/2018 18:39 -03

TSE nega que urnas sugiram voto em candidato do PT

Justiça Eleitoral diz que não existe a possibilidade de a urna completar o voto do eleitor. Filho de Bolsonaro publicou vídeo falso.

Carla Carniel/Anadolu Agency/Getty Images
Ministra Rosa Weber, presidente do TSE, diz que tem

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) negou neste domingo (7) a possibilidade de a urna eletrônica autocompletar o voto do eleitor, sugerindo voto em um candidato ou outro.

O boato foi disseminado por Flavio Bolsonaro, filho do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). Ele compartilhou no Twitter um vídeo gravado por outro usuário, que supostamente mostra a urna sugerindo o voto no presidenciável do PT, Fernando Haddad.

De acordo com o TSE, o vídeo é falso.

"No momento em que a tela exibe o candidato do PT, o vídeo não mostra o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. O teclado é mostrado apenas depois. Não existe a possibilidade de a urna completar o voto do eleitor", informou a assessoria de imprensa do TSE.

O post foi apagado por Flavio Bolsonaro após a resposta do TSE.

Em entrevista coletiva, a presidente do TSE, ministra Rosa Weber, disse ter "total confiança nas urnas eletrônicas".

"Hoje em dia sabemos que não necessariamente o que os nossos olhos veem é o que realmente acontece. Eu tenho total confiança nas nossas urnas eletrônicas. O Direito está ai para a repressão das fraudes. As urnas foram aperfeiçoadas e hoje temos um sistema ágil, seguro e que nos inspira a maior confiança", disse.

"Até hoje não temos nenhum caso de fraude. Temos videos, mídias, redes sociais sem qualquer embasamento na realidade, por isso afirmamos a nossa confiança", completou Weber.

De acordo com a lei eleitoral, é crime filmar e/ou fotografar as urnas.

Eduardo Bolsonaro, outro filho do candidato do PSL, está pedindo em suas redes sociais que os eleitores façam vídeos da urna no momento do voto.

Assista à explicação divulgada pelo TRE-MG: