POLÍTICA
08/10/2018 00:54 -03 | Atualizado 15/10/2018 18:43 -03

Bancada feminina cresce de 51 para 77 na Câmara dos Deputados

Partido de Bolsonaro elege 9 deputadas e duas senadoras.

Metade da bancada feminina na Câmara foi renovada.
NELSON ALMEIDA via Getty Images
Metade da bancada feminina na Câmara foi renovada.

A bancada feminina no Congresso Nacional cresceu nestas eleições. Na Câmara dos Deputados, foram eleitas 77 parlamentares do total de 513, de acordo com dados finais da Justiça Eleitoral. Em 2014, eram 51.

No Senado, 7 representantes femininas tiveram vitória nas urnas. É o mesmo número de eleitas em 2010, última eleição para duas vagas na Casa. Em 2014, onde cada estado tinha uma vaga na disputa, outras 5 ganharam o pleito.

Entre as deputadas eleitas, a renovação foi de metade. Das 51 que venceram o pleito em 2014, 26 foram reeleitas. Apenas 7 não tentaram se reeleger. Neste pequeno grupo, a maioria tentou uma vaga no Senado ou como vice na disputa pelos governos estaduais.

Nos Estados, apenas Amazonas, Maranhão e Sergipe não elegeram deputadas.

O PSL, partido de Jair Bolsonaro, candidato à Presidência, elegeu 9 deputadas e duas senadoras. O presidenciável foi alvo dos protestos do #EleNão, em respostas a posicionamentos machistas. O parlamenter é réu por incitação ao estupro.

O percentual de mulheres concorrendo a deputada federal quase não se alterou em relação às últimas eleições. O total ficou um pouco acima do mínimo de 30% de candidatos de cada gênero para cargos proporcionais exigido por lei. Foram pouco mais de 2,6 mil candidatas, segundo a Justiça Eleitoral. Em 2014, eram 2,3 mil.

Quanto às novas senadoras, das 7 que poderiam tentar um novo mandato no cargo, apenas 3 se candidataram à reeleição. As outras não entraram na disputa eleitoral ou optaram pela Câmara, além de Ana Amélia (PP-RS), que escolheu ser vice na chapa presidencial com Geraldo Alckmin (PSDB).

Foram 62 candidaturas femininas para o Senado, um aumento expressivo em relação aos anos anteriores. Em 2014, quando a renovação foi de um terço das 81 vagas, 35 concorreram. Já em 2010, quando cada unidade da Federação disputou duas vagas, o número foi de 36.

O Brasil fica atrás de dezenas de países quanto à presença de mulheres na política. Está na 115ª posição no ranking mundial de representatividade feminina no Parlamento dentre os 138 países analisados pelo Projeto Mulheres Inspiradoras (PMI), com base no banco de dados do Banco Mundial (Bird) e do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A lei eleitoral prevê uma cota de 30% das candidaturas para cada gênero, mas a norma é frequentemente violada por candidatas laranja. Em 2016, dos 10 candidatos com zero votos, 9 eram mulheres.

No Congresso, a bancada feminina têm se esforçado em avançar com a cota de cadeiras no Legislativo, mas enfrentam resistência. Aprovada em 2015 pelo Senado, a proposta de emenda à Constituição (PEC 98/2015) não foi votada na Câmara.

O texto previa um mínimo de 10% das cadeiras na primeira legislatura, 12% na segunda legislatura e 16% na terceira para Câmara e Senado, assembleias legislativas, Câmara Legislativa do Distrito Federal e câmaras municipais.

Por outro lado, havia uma expectativa de aumento de representatividade por parte de especialistas. Representante do Escritório da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, afirmou ao HuffPost em setembro que esperava que a presença feminina chegasse a 30% nos cargos eletivos.

O cálculo tem como base decisão do TSE de maio desde ano, de acordo com a qual, no mínimo 30% do Fundo Eleitoral precisa ser gasto com candidaturas femininas. A norma, contudo, tem sido interpretada por partidos de forma abrangente, de modo a incluir chapas em que mulheres são candidatas a vice ou suplentes no Senado.

Mulheres eleitas para Câmara dos Deputados

Acre: 4

Mara Rocha (PSDB)

Jéssica Sales (MDB) - reeleição

Dra. Vanda Milani (SD)

Perpetua Almeida (PCdoB)

Alagoas: 1

Tereza Nelma (PSDB)

Amapá: 3

Aline Gurgel (PRB)

Professora Marcivânia (PCdoB) - reeleição

Leda Sadala (Avante)

Bahia: 3

Alice Portugal (PCdoB) - reeleição

Lídice da Mata (PSB)

Professora Dayane Pimentel (PSL)

Ceará: 1

Luiziane (PT) - reeleição

Distrito Federal: 5

Flavia Arruda (PR)

Erika Kokay (PT) - reeleição

Bia Kicis (PRP)

Paula Belmonte (PPS)

Celina Leão (PP)

Espírito Santo: 3

Dra. Soraya Manato (PSL)

Norma Ayub (DEM) - reeleição

Lauriete (PR)

Goiás: 2

Flavia Morais (PDT) - reeleição

Magda Mofatto (PR) - reeleição

Mato Grosso: 1

Professora Rosa Neide (PT)

Mato Grosso do Sul: 2

Rose Modesto (PSDB)

Tereza Cristina (DEM) - reeleição

Minas Gerais: 4

Aurea Carolina (PSOL)

Margarida Salomão (PT) - reeleição

Alê Silva (PSL)

Greyce Elias (Avante)

Pará: 1

Elcione (MDB)

Paraíba: 1

Edna Henrique (PSDB)

Paraná: 5

Gleisi Lula (PT)

Leandre (PV) - reeleição

Christiane Yared (PR) - reeleição

Luisa Canziani (PTB)

Aline Sleutjes (PSL)

Pernambuco: 1

Marília Arraes (PT)

Piauí: 4

Rejane Dias (PT)

Iracema Portella (PP) - reeleição

Margarete Coelho (PP)

Dra. Marina (PTC)

Rio de Janeiro: 10

Flordelis (PSD)

Daniela do Waguinho (MDB)

Talíria Petrone (PSol)

Jandira Feghali (PCdoB) - reeleição

Rosangela Gomes (PRB) - reeleição

Soraya Santos (PR) - reeleição

Benedita da Silva (PT) - reeleição

Chris Tonietto (PSL)

Clarissa Garotinho (PROS) - reeleição

Major Fabiana (PSL)

Rio Grande do Norte: 1

Natalia Bonavides (PT)

Rio Grande do Sul: 3

Fernanda Melchionna (PSol)

Maria do Rosário (PT) - reeleição

Liziane Bayer (PSB)

Rondônia: 3

Mariana Carvalho (PSDB) - reeleição

Jaqueline Cassol (PP)

Silvia Cristina (PDT)

Roraima: 2

Shéridan (PSDB) - reeleição

Joenia Wapichana (Rede)

Santa Catarina: 4

Caroline de Toni (PSL)

Geovania de Sá (PSDB) - reeleição

Angela Amin (PP)

Carmen Zanotto (PPS) - reeleição

São Paulo: 11

Joice Hasselmann (PSL)

Tabata Amaral (PDT)

Policial Katia Sastre (PR)

Sâmia Bomfim (PSol)

Luiza Erundina (PSol) - reeleição

Renata Abreu (Podemos) - reeleição

Rosana Valle (PSB)

Bruna Furlan (PSDB) - reeleição

Carla Zambelli (PSL)

Maria Rosas (PRB)

Adriana Ventura (Novo)

Tocantins: 2

Professora Dorinha (DEM) - reeleição

Dulce Miranda (MDB)

Mulheres eleitas para o Senado Federal

Daniella Ribeiro (PP-PB)

Dra Zenaide Maia (PHS-RN)

Eliziane Gama (PPS-MA)

Juiza Selma Arruda (PSL-MT)

Leila do Vôlei (PSB-DF)

Mara Gabrilli (PSDB-SP)

Soraya Thronicke (PSL-MS)

ATUALIZAÇÃO: O texto original informava 74 deputadas eleitas, com base em dados preliminares da Justiça Eleitoral. Com a apuração de 100% das urnas, o número subiu para 77.