POLÍTICA
04/10/2018 18:24 -03 | Atualizado 04/10/2018 19:39 -03

TVs e rádios exibem 4 entrevistas exclusivas com Bolsonaro em 6 dias

Emissoras são proibidas por lei de dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação.

De acordo com o colunista Ancelmo Gois, a TV Record irá exibir uma entrevista com o deputado no mesmo horário do debate da TV Globo, às 22.
NurPhoto via Getty Images
De acordo com o colunista Ancelmo Gois, a TV Record irá exibir uma entrevista com o deputado no mesmo horário do debate da TV Globo, às 22.

Pelo menos 4 emissoras de rádio e televisão exibiram entrevistas exlusivas com o candidato do PSL à Presideência da República, Jair Bolsonaro, em 6 dias. Duas empresas foram alvo de representações na Justiça Eleitoral, uma vez que a Lei proíbe tratamento privilegiado na corrida eleitoral.

Líder nas pesquisas de intenção de voto, o presidenciável deve ganhar destaque também nesta quinta-feira (4). De acordo com o colunista Ancelmo Gois, a TV Record irá exibir uma entrevista com o deputado no mesmo horário do debate da TV Globo, às 22h.

Bolsonaro alegou ordens médicas para não participar do debate, após ter recebido alta hospitalar no último sábado (29), 23 dias após ser vítima de uma facada. "Nós contraindicamos participação em debates ou em qualquer atividade que pudesse cansá-lo ou obrigá-lo a falar por mais de dez minutos", afirmou Antônio Luiz Bonsucesso Macedo, cirurgião do Hospital Albert Einstein, onde o candidato estava internado.

Em 24 de setembro, o parlamentar concedeu uma entrevista ao jornalista Augusto Nunes, da rádio Jovem Pan.

Na última sexta-feira (28), o programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes exibiu entrevista de quase uma hora com o presidenciável.

No dia seguinte, quando recebeu alta, foi entrevistado pela jornalista Graziela Azevedo, da TV Globo, no voo de São Paulo para o Rio de Janeiro. A entrevista de pouco mais de 3 minutos foi exibida no Jornal Nacional. Nesta quinta, o deputado converou com a Rádio Jornal, de Pernambuco.

A lei eleitoral nº. 9.504/97 prevê que "encerrado o prazo para a realização das convenções no ano das eleições, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e em seu noticiário, (...) dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação".

Por esse motivo, as campanhas da Rede, do PT, do PSDB e do PSOL entraram com representações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta semana contra a TV Band e a rádio Jovem Pan.

Os pedidos de Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) foram analisados pelo ministro Sérgio Banhos. Ele pediu que as emissoras apresentem suas defesas, mas negou liminar alegando liberdade de expressão e princípio do contraditório.

Nesta quinta, o PT também entrou com uma representação contra a Record. O relator é o ministro Carlos Bastide Horbach.

A TV Band não se posicionou sobre o assunto. No caso da TV Globo, não há questionamento jurídico. No dia da exibição da entrevista, a emissora exibiu também agendas dos outros 4 candidatos melhor colocados na disputa por igual período de tempo.