POLÍTICA
25/09/2018 18:59 -03 | Atualizado 25/09/2018 18:59 -03

Meirelles quer criar 'Prouni para crianças' e defende escolas sem 'ideologização'

Candidato do MDB diz que educação é a base para o crescimento econômico, geração de emprego e renda sustentável.

Adriano Machado / Reuters
Meirelles propõe uma reformulação educacional para crianças de 0 a 5 anos de vida.

Henrique Meirelles quer mudar a educação básica caso seja eleito presidente do Brasil. O candidato do MDB propõe o Pró-Criança, uma espécie de Prouni para crianças de 0 a 5 anos em creches particulares.

Em seu plano de governo, o atual ministro da Fazenda do governo Temer afirma que o Brasil enfrenta um grande problema na educação básica. Apesar de o Brasil investir 6% do PIB (Produto Interno Bruto) em educação — acima da média de 5,5% do PIB de países da OCDE —, o País decepciona nos índices internacionais de avaliação de ensino, como o Pisa.

"O resultado de uma educação de baixa qualidade é a perpetuação das desigualdades e a limitação dos ganhos de produtividade. Dessa forma, não há crescimento nem geração de emprego e renda de forma sustentável", afirma o programa.

Segundo o candidato, para mudar esse cenário, a alternativa é ter a educação infantil como a principal política de investimento em capital humano, pois ela teria "a maior taxa de retorno."

Para isso, Meirelles propõe uma reformulação educacional para crianças até 5 anos. A proposta é criar o Pró-Criança, oferecendo, nos moldes do Prouni, a todas as famílias atendidas pelo Bolsa Família o direito de optar por colocar seus filhos em creches particulares.

Em outro ponto do programa, o candidato do MDB afirma ainda que é preciso dar condições materiais às famílias, treinamento e condições de trabalho aos professores e "afastar qualquer possibilidade de ideologização do ensino", em referência ao Escola Sem Partido.

Esse projeto é defendido pela bancada conservadora da Câmara para punir "doutrinação ideológica" nas escolas, mesma bandeira de candidatos de direita como Jair Bolsonaro (PSL) e Cabo Daciolo (Patriota).

O plano de governo finaliza que o desafio da nova gestão é "realizar uma verdadeira cruzada pela qualidade do ensino público no Brasil, a começar pela educação básica."