POLÍTICA
25/09/2018 21:10 -03 | Atualizado 25/09/2018 21:52 -03

Alckmin adere a campanha contra Bolsonaro em programa na TV

Tucano usou #EleNão e explorou fala de Mourão, vice de Bolsonaro, de que famílias chefiadas por mulheres criam "desajustados".

Reprodução
Programa eleitoral de Geraldo Alckmin adere à campanha #EleNão, de mulheres contra Bolsonaro.

Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência, aderiu à campanha #EleNão, movimento lançado por mulheres contra Jair Bolsonaro (PSL).

O programa eleitoral tucano veiculado na TV na noite desta terça-feira (25) relembrou declaração misógina dada recentemente pelo general Hamilton Mourão, vice na chapa de Bolsonaro.

"No Brasil, 30 milhões de famílias são chefiadas por mulheres, que cuidam de seus filhos muitas vezes sozinhas", diz o narrador. "Para o vice de Bolsonaro, famílias só com mãe e avó são 'fábricas de elementos desajustados'."

Na sequência, o programa exibe o depoimento de uma mulher que se diz preocupada com as declarações preconceituosas do candidato. "Eu não posso escolher alguém que divida assim o País. Um presidente precisa governar para todos. Eu já fiz a minha escolha: Ele, não. Geraldo Alckmin, sim."

A peça tucana também citou o movimento Mulheres Unidas Contra Bolsonaro, organizado pelas redes sociais, e voltou a usar vídeos em que o deputado aparece xingando uma jornalista e a deputada Maria do Rosário (PT).

"Se você é mulher, como eu, tem ainda mais motivos para dar muita atenção à escolha que vai fazer. É preciso ter cuidado para não escolher quem trata as mulheres assim", diz a apresentadora.

A propaganda explora, ainda, imagens em que o ex-capitão do Exército faz declarações homofóbicas.

"Eu não gostaria de ter vizinho meu um casal homossexual morando ali, com meus filhos pequenos em casa", diz Bolsonaro em um dos vídeos. "Gostar de homossexual ninguém gosta, a gente suporta", afirma o deputado, em outra ocasião.

Antipetismo

Alckmin tem dito que apenas o PT, com o candidato Fernando Haddad, tem vaga garantida no segundo turno, e corre contra o tempo para conquistar os eleitores que hoje estão com Bolsonaro.

O programa que foi ao ar na noite desta terça começa com a vice de Alckmin, senadora Ana Amélia (PP-RS), desmentindo informações de que a chapa poderia apoiar o PT no segundo turno. "Mentiras deslavadas", diz Ana Amélia.

Ao final da propaganda, Alckmin diz que é contra os "radicais de direita e de esquerda" e faz um apelo ao eleitor.

"Você pode evitar que o País mergulhe na escuridão, com menos direitos para as mulheres, com discriminação pela cor, pelo sexo e pela religião. Está também em suas mãos evitar que a corrupção e a roubalheira voltem a comandar o País (...) É você que pode evitar que um preso condenado por corrupção seja solto, evitar que o PT volte a quebrar o País."

O argumento do tucano é que Bolsonaro perde para o PT nas simulações de segundo turno.