POLÍTICA
24/09/2018 00:08 -03 | Atualizado 24/09/2018 00:08 -03

As propostas de Cabo Daciolo (Patriota) para a educação pública do Brasil

O candidato promete investir 10% do PIB no setor.

Paulo Whitaker/Reuters
Cabo Daciolo promete erradicar o analfabetismo no País.

Para o candidato Cabo Daciolo (Patriota), o investimento "maciço" em educação e a ampliação dos repasses aos estados e municípios permitirão que índices de analfabetismo e evasão escolar sejam melhorados.

Ele quer elevar o piso salarial dos professores, mas não informa de onde virão os recursos. Também planeja erradicar o analfabetismo.

O presidenciável defende que a educação de qualidade deva ser construída com parceria entre os pais de jovens e crianças e seus educadores.

Investiremos 10% do PIB em educação. Cabo Daciolo, em plano de governo.

Veja as propostas:

  • Aumentar o repasse de recursos aos estados e municípios para que os índices de educação sejam ampliados;
  • Melhorar a acessibilidade das infraestruturas das escolas para que 50% das escolas, tendo como meta a marca de 100%, possuam banheiros com acessibilidade aos alunos portadores de deficiência até 2022;
  • Valorizar as universidades federais que já possuímos e construir mais campi;
  • Reduzir a evasão escolar, diminuir a incidência da reprovação, melhorar a qualidade do ensino, as condições de trabalho dos professores, aumentar o acesso à educação pública e implementar a educação básica em tempo integral nas escolas de todo o país;
  • Elevar o piso salarial dos trabalhadores em educação, dos atuais R$ 2.455,35 para um patamar capaz de assegurar condição de vida mais dignas aos educadores;
  • Valorizar a ciência, tecnologia e inovação bem como criar mais Institutos Federais de ensino técnico em localidades estratégicas no tocante à formação e capacitação da população mais carente para o mercado de trabalho, além de valorizarmos os Institutos Federais já existentes;
  • Melhoria das estruturas físicas das escolas, aumento do número de bibliotecas, salas de leitura, laboratórios de informática e de ciências; para compra de melhores materiais didáticos e para ampliação da disponibilidade do transporte público escolar aos estudantes que vivem em áreas rurais;
  • Erradicar o analfabetismo.

O candidato

Benevenuto Daciolo da Fonseca dos Santos nasceu em Floranópolis e tem 42 anos. Formado em turismo, ele não seguiu na profissão. Entrou para o corpo dos Bombeiros em 1988 e se destacou na vida pública em 2011, ao liderar a greve da categoria no Rio de Janeiro.

Em 2014, Daciolo venceu a disputa nas eleições para deputado federal pelo Psol. Durante o seu mandato, grande parte dos projetos de leis apresentados estavam ligados aos temas religião e defesa dos militares. Daciolo se declara evangélico há 14 anos.

Daciolo foi expulso do partido socialista em 2015 após fazer um discurso em defesa dos policiais acusados do assassinato do auxiliar de pedreiro Amarildo de Souza.

Em seu registro de candidatura no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Cabo Daciolo declarou não ter nenhum bem.