MULHERES
19/09/2018 15:45 -03 | Atualizado 19/09/2018 20:08 -03

Marina Silva: 'Se o Congresso decidisse [legalizar o aborto], eu vetaria'

“Tenho dito que se for para ampliar a legalização, que seja por plebiscito. 513 deputados e 81 senadores não substituem 200 milhões de brasileiros.”

Para Marina, se for para ampliar os casos nos quais o aborto pode ser legalizado, a população deve ser convocada a participar da decisão.
Paulo Whitaker / Reuters
Para Marina, se for para ampliar os casos nos quais o aborto pode ser legalizado, a população deve ser convocada a participar da decisão.

Candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva afirmou nesta quarta-feira (19) que caso o Congresso decidisse descriminalizar o aborto, ela vetaria.

"Sou contra o aborto, não acho que é a melhor forma de você encarar o problema de não querer uma gravidez indesejada, defendo que se tenha planejamento familiar, que se oriente as pessoas para que elas não tenham que ter uma gravidez indesejada", pontuou na sabatina Amarelas ao Vivo, promovida pela revista Veja.

Em seguida, ela acrescentou que hoje já existem situações nas quais o aborto é legal: "nos casos de estupro, quando a criança nasce sem o cérebro e no caso de risco para a sua mãe". "Tenho dito que se for para ampliar para além disso, que seja por plebiscito, que 513 deputados e 81 senadores não substituem 200 milhões de brasileiros."

"Se o Congresso decidir, eu vetaria. Se o Congresso decidir. Se for um plebiscito, eu acho que aí é uma decisão soberana da sociedade. (...) O plebiscito leva o assunto para o patamar que ele deve estar."

Ela destacou que respeitaria a proposta "se por decisão soberana no plebiscito, a população decidisse". "Nós estamos em uma democracia e o Estado é laico", enfatizou.

Espero que a sociedade brasileira se mobilize para mostrar para o Congresso que o melhor caminho é o plebiscito.

Questionada pelo HuffPost Brasil se respeitaria outras decisões do Congresso com as quais não concordasse, a candidata afirmou que sim. "Quando eu disse que não aprovaria, disse que se fosse possível ao presidente vetar. Uma emenda constitucional não caberia. O presidente da República não faz lei. Quem faz lei é o Congresso. Perguntada se vetaria, se tivesse condições de vetar, vetaria."

Perguntada se vetaria, se tivesse condições de vetar, vetaria.

Polêmica

A candidata, que é evangélica, já admitiu diversas vezes ser contrária à legalização do aborto e favorável a um plebiscito para decidir. Pesquisa Datafolha do último dia 22 de agosto indica que 59% da população é contrária a mudanças na legislação sobre aborto. O apoio a manutenção da regra atual, entretanto, vem caindo. O índice era de 67% em 2015.

Em setembro de 2014, em debate promovido por SBT, Folha de S. Paulo, UOL e Jovem Pan, ela afirmou que a legalização do aborto e das drogas é um debate que tem que ser feito com muito cuidado e responsabilidade. "Ele envolve questões filosóficas, éticas, morais e espirituais", justificou. "Há uma visão atrasada que, em vez de discutir o mérito, discute o rótulo."

Ela afirmou também que não "sataniza" ninguém que defende legalização da maconha nem aqueles que defendem a legalização do aborto.

Voto útil

Em forte queda nas pesquisas presidenciais, Marina criticou a estratégia do voto útil. "Se existem alguns que já jogaram a toalha, nós estamos no páreo. O voto não pode ser privatizado nem pelo Lula nem pelo Bolsonaro nem por Haddad, nem por Alckmin, nem por Marina."

Para ela, ninguém pode votar pelo medo, "numa situação em que você abandona o candidato do seu coração. Quem prega voto útil está querendo inutilizar o seu voto".

Quem prega voto útil está querendo inutilizar o seu voto.

Em relação ao cenário polarizado, com o candidato Jair Bolsonaro (PSL) na liderança e Fernando Haddad (PT) em segundo lugar, segundo pesquisa Ibope, ela disse que o ideal é um "cenário em que os brasileiros assumam a responsabilidade de que a violência não constrói nada".

Para ela, o País não pode acreditar que vai resolver o problema distribuindo arma. "Não vai ser assim que vamos resolver a segurança no Brasil. Não existe essa história de fazer um governo para os fortes. Eu nunca vi isso na minha vida, alguém dizer que os índios, os negros, as mulheres não têm nenhum tipo de acolhimento. O bom para o Brasil é que que nem se vá pelo caminho do autoritarismo de esquerda, nem de direita. Nem é o rouba mais faz, nem a violência de qualquer jeito."