COMPORTAMENTO
16/09/2018 10:35 -03 | Atualizado 16/09/2018 10:35 -03

Astrologia e efeito placebo: Qual a influência dos fenômenos para o nosso cérebro

O que há por trás dos acertos e dos erros de nosso horóscopo?

Tem muita gente que desdenha da astrologia, mas basta uma rápida analisada no que o seu signo diz para você encontrar alguma identificação.  
Getty Images/iStockphoto
Tem muita gente que desdenha da astrologia, mas basta uma rápida analisada no que o seu signo diz para você encontrar alguma identificação.  

Pelo menos alguma vez em sua vida você deve ter checado o seu horóscopo diário. Se você for um pouquinho mais curioso, talvez tenha feito até o seu mapaastral. Ascendente, Lua, Vênus, Sol e inferno astral. Tem muita gente que desdenha da astrologia, mas basta uma rápida analisada no que o seu signo diz para você encontrar alguma identificação.

Afinal, o zodíaco é capaz de prever o destino? O que há por trás dos acertos e dos erros de nosso horóscopo? Sob o ponto de vista comportamental, há, pelo menos duas respostas que farão até os mais céticos enxergarem o que existe de real no discurso dos astros: o efeitoplacebo e o viésdeconfirmação.

Desde quando a astrologia se tornou tão popular?

A análise dos astros aparece sob diversas formas em todas as culturas. Seus primeiros registros datam de tempos muito antigos, quando ainda se escreviam cartas estelares no Egito. Hoje, porém, basta sentar numa mesa de bar, fuçar um perfil em alguma rede social ou começar um papo com um novo conhecido para surgir a pergunta: qual é o seu signo?

A popularidade da astrologia anda tão em alta que o tema virou até episódio de série na Netflix.

Na produção Explicando, durante pouco mais de 15 minutos, o espectador é convidado a conhecer a astrologia sob a ótica da ciência, da História e também do comportamento humano.

No documentário, astrólogos são questionados por que tantas pessoas confiam e acreditam na astrologia, mesmo sem qualquer evidência científica sobre suas teses. Nenhum deles parece se incomodar muito com isso, afinal, se a ferramenta funciona e faz bem para algumas pessoas, ela está cumprindo o seu papel.

O viés da confirmação e a astrologia

Se não há evidências científicas, como confiar na astrologia?

O fato é que estamos sempre procurando confirmações para aquilo que a gente acredita. O cérebro humano é recheado de programações automáticas que vieram fábricas — elas são conhecidas como vieses.

Um dos mais importantes é o viés de confirmação. É por conta dele que tendemos a nos aproximar daquilo que reforça nossas crenças e afastar tudo o que nos é posto como contrário. Seja na discussão política ou na crença da astrologia, não importa. Sempre buscamos uma confirmação para o que defendemos, ou acreditamos ser a verdade.

Faça um teste: leia o seu mapa astral. Muito possivelmente você irá encontrar coisas com as quais você se identifica. Ao ler a descrição, você será surpreendido com o quanto aquilo se aproxima da sua vida. Mas, de repente, você se depara com uma coisa completamente distante de sua realidade. Qual a sua escolha? Ignorar o fato.

As pessoas realmente acreditam em seu horóscopo e mapa astral simplesmente porque elas querem se identificar com eles. Isto é, novamente, resultado da influência do viés de confirmação. Você se torna cúmplice do seu próprio horóscopo.

"É praticamente automático o filtro que meu cérebro faz daquilo que não confirma a minha expectativa. Ele vai jogando para um cantinho em que eu coloco as coisas 'não importantes' e eu não vou prestar atenção nelas. Porque eu sempre vou me concentrar naquilo que confirma o que eu já sei", explica a especialista em neurociência Cecília Barretto, em entrevista ao HuffPost Brasil.

Então, a grande discussão que a astrologia traz é que algo não precisa ser "real" para causar efeitos reais.

Getty Images/iStockphoto
Astrologia é considerada ferramenta de autoconhecimento.

Por que o efeito placebo importa

É aí que entra outro elemento importante nessa história. Para quem acredita na astrologia, o estudo dos astros é coisa séria e funciona como ferramenta de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Você pode querer acreditar nisso ou não, mas não há como questionar o efeito dessa crença na vida das pessoas. Especialmente por um motivo: a força do efeito placebo.

Os efeitos do placebo são comprovados pela ciência. Trata-se de efeitos benéficos atribuídos às respostas que o nosso cérebro oferece no contexto em que um tratamento é administrado sem a interferência de um medicamento.

Eles são mediados por diversos processos, inclusive o nosso aprendizado, as nossas expectativas e a nossa capacidade de cognição. E sim, o placebo de fato pode influenciar vários resultados clínicos e fisiológicos relacionados à saúde.

"Grande parte da cura é a crença na cura. Se você não confia no tratamento que você está fazendo, a chance da cura é reduzida. E ainda que você não tenha tomado nenhum remédio, mas você acredita que tomou, só a crença disso já eleva as suas chances de cura. Estudos comprovam que o placebo funciona aproximadamente em 40% dos casos analisados", explica Barretto.

Ou seja: quando alguém toma uma pílula de açúcar e acredita que aquilo é um remédio, surge imediatamente a expectativa de melhora. Isso vai gerar mudanças na área do cérebro que processa as nossas emoções. Elas são capazes de influenciar outros processos do nosso corpo, como o nível dos hormônios, o sistema imunológico e o sistema nervoso.

Esse mesmo fenômeno ocorre, de certa forma, quando acreditamos no que lemos em nosso horóscopo.

Na pesquisa Belief in Astrology as a Strategy For Self-Verification and Coping With Negative Life-Events (Crença na Astrologia como Estratégia para Autoverificação e Enfrentamento com Eventos de Vida Negativos, em tradução literal) os resultados demonstraram que as pessoas que se sentem fora do controle de suas vidas acreditam mais na astrologia e se identificam mais com seus horóscopos.

Ainda, os testes revelaram que um horóscopo "positivo" poderia melhorar o desempenho do indivíduo em testes cognitivos e até em seus níveis de confiança e criatividade.

Getty Images/iStockphoto
Astrologia: astros influenciam a caminhada dos seres humanos na Terra.

Por que acreditar na astrologia?

Não importa o seu signo, se é de terra ou de água, o fato é que há uma necessidade inerente ao ser humano de querer ter controle sobre o futuro.

Tendemos a acreditar que podemos criar um plano de vida em que não seja necessário o espaço para as falhas. Ou seja: precisamos fazer escolhas acertadas sempre, seja na hora de investir um dinheiro, aceitar um novo emprego ou escolher um parceiro para se relacionar. Mas isso é uma ilusão.

Nessa trajetória louca de espaço e tempo que chamamos de vida, cada um de nós precisa subir uma montanha. Uns vão pela direita, outros pela esquerda, alguns mais rápidos e outros mais lentos, mas todos com o mesmo objetivo de conquistar o seu topo.

Eu não preciso concordar com o caminho que o outro escolheu, desde que eu acredite e me sinta bem com o caminho que eu escolhi para mim. E a astrologia funciona como uma das ferramentas nessa caminhada.

O que há de bonito nos estudos dos astros é realmente esse convite para o autoconhecimento. Entender que, sim, o universo é realmente gigantesco, nós somos uma parte ínfima dele, mas sempre teremos um lugar reservado para as nossas singularidades.