NOTÍCIAS
13/09/2018 17:27 -03 | Atualizado 13/09/2018 17:30 -03

Votação decide se caça a baleias pode voltar a ser permitida no mundo

O Japão lidera a defesa da "caça sustentável" dos animais.

Representantes de 80 países se reuniram nesta quarta-feira (13) em Florianópolis para decidir o futuro das baleias.
Anthony Phelps / Reuters
Representantes de 80 países se reuniram nesta quarta-feira (13) em Florianópolis para decidir o futuro das baleias.

Representantes de 80 países se reuniram nesta quarta-feira (13) em Florianópolis para decidir o futuro das baleias.

Liderados pelo Japão, um grupo de países que participa do encontro da Comissão Baleeira Internacional (CIB) quer votar a liberação da caça comercial dos mamíferos. O tema foi colocado em pauta hoje, mas a decisão foi adiada para sexta-feira (14).

O Brasil faz parte do grupo contrário ao Japão e defende que a proibição do abate dos animais, que é ilegal há 32 anos, não seja retomado. O país asiático argumenta que é preciso que as regras sejam revisadas, exatamente por já existirem há mais de 3 décadas.

Nas redes sociais, a discussão do evento repercutiu com bastante polêmica. Usuários do Twitter criticaram o termo "abate humanitário" e questionaram a defesa da caça dos animais.

Teve até gente que exigiu um exercício de empatia para quem defende a legalização do abate...

Outras pessoas questionaram se estamos, realmente, em 2018, tamanha a surpresa diante do tema:

Alguns usuários tentaram mostrar o quanto esses animais demoram para se procriar e o quanto a caça poderia ser destruidora.

Curiosidade: até mesmo o cocô da baleia é importante para o equilíbrio da vida marinha.

Tem muita gente que realmente não está entendendo nada...

Importante lembrar:

A proibição da caça comercial de baleias foi instituída em 1986 pela própria CIB, mas não é seguida a risca por todos os países. Brechas do próprio regulamento permitem a caça de baleias em casos de estudos e pesquisas científicas, desde que o país siga cotas específicas - caso do Japão.

Outro dificultador do processo é a falta de fiscalização e penalização, já que não há uma agência regulatória internacional. A preservação das baleias fica sob a responsabilidade de ONGs, órgãos públicos e na confiança da consciência dos próprios pescadores.

No Japão, a caça das baleias é algo que faz parte da cultura e da economia do país. Na década de 50 e 60, a carne da baleia era uma das principais fontes de proteína da população.

Desde 1990, o país faz uma tentativa de aprovar a caça comercial, mesmo que com restrições. A proposta que está em discussão é a defesa de uma caça sustentável, que estabeleceria cotas para definir quantos animais cada país poderia abater por ano.O Japão já tem apoio declarado da Islândia, Noruega e alguns países da África e do Caribe. O principal argumento é de que as espécies ameaçadas já tiveram tempo de recuperação ao longo dos anos proibitivos.

No Brasil, a caça é completamente proibida e pode gerar uma multa e a prisão de 2 a 5 anos.