POLÍTICA
11/09/2018 18:26 -03 | Atualizado 11/09/2018 18:44 -03

Haddad é oficializado candidato do PT à Presidência

"Nós já somos milhões de Lulas e, de hoje em diante, Fernando Haddad será Lula para milhões de brasileiros", afirmou o ex-presidente, em carta.

PT oficializa Fernando Haddad candidato à Presidência e Manuela D'Ávila (PCdoB), vice.
NELSON ALMEIDA via Getty Images
PT oficializa Fernando Haddad candidato à Presidência e Manuela D'Ávila (PCdoB), vice.

Em seu primeiro discurso como candidato oficial do PT à Presidência da República, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad se colocou como responsável por não deixar o legado do partido se perder e enalteceu a figura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, impedido, no último dia 1º, pela Justiça eleitoral de concorrer por causa da Lei da Ficha Limpa.

A troca na chapa só foi formalizada nesta terça-feira (11), prazo final determinado pela Justiça para que o PT fizesse a substituição.

"Sinto a dor de muitos brasileiros e brasileiras que vão receber a notícia de que não conseguirão votar naquele que gostariam de ver subir a rampa do Palácio do Planalto", iniciou Haddad, emocionado. O discurso foi feito ao lado de Manuela D'Ávila, do PCdoB, que assume a vaga de vice na chapa.

Na defesa dos 12 anos dos governos petistas de Lula e da ex-presidente Dilma Rousseff, Haddad engrossou a narrativa de que o partido investiu nos mais pobres. "[Lula] saiu de dentro do povo e chegou à Presidência da República superando todos os obstáculos que a vida impôs."

Lula representou e representa um divisor de águas no Brasil.Fernando Haddad, candidato do PT.

Haddad destacou que foi no período em que o PT esteve no comando do Executivo do País que o Brasil saiu do Mapa da Fome e que nos 12 anos foram criados 20 milhões de empregos.

"Pensávamos que o Brasil estaria fora do Mapa da Fome, que nunca mais iríamos ver um irmão ou irmã brasileiros vivendo o flagelo da fome. Bastaram dois anos para que o Brasil voltasse ao mapa."

O ex-prefeito de São Paulo disse ainda se perguntar o que o ex-presidente fez.

"Será que foi ter aberto as portas das universidades para o filho do trabalhador?", questionou. Argumentou também que desde a reeleição de Dilma "tentam desestabilizar o País". "Quatro anos chacoalhando a roseira da democracia para ver se ela cai."

"Temos um líder chamado Lula que nos inspira a todos. Eles batem... A gente pode até cair, mas a gente levanta. No dia seguinte, a gente levanta, olha no espelho e diz 'é mais um dia de luta'. (...) Não podemos abrir mão de realizar o nosso sonho. Nós estamos juntos, é uma tarefa monumental. Mas nenhum problema é maior que nossa vontade de devolver o Brasil para o brasileiro."

Antes de Haddad, Luiz Eduardo Greenhalgh, membro fundador do PT, leu a carta em que Lula passa o bastão da candidatura e unge Haddad como seu escolhido. No texto, o petista diz que o ex-prefeito será o seu representante "nessa batalha para retomarmos o rumo do desenvolvimento e da justiça social".

"Quero pedir, de coração, a todos que votariam em mim, que votem no companheiro Fernando Haddad para presidente da República. (...) Nós já somos milhões de Lulas e, de hoje em diante, Fernando Haddad será Lula para milhões de brasileiros", diz o ex-presidente, no texto.

Brazil Photo Press via Getty Images
Lula: "Nós já somos milhões de Lulas e, de hoje em diante, Fernando Haddad será Lula para milhões de brasileiros".

Transferência de votos

O PT aposta na transferência de votos de Lula para Haddad. Pesquisa Datafolha divulgada na segunda-feira (10) mostra o ex-prefeito em ascensão. Ele registra 9% das intenções de voto, crescimento de 5 pontos percentuais comparado à última pesquisa, divulgada em 22 de agosto - antes de Lula ter sua candidatura indeferida. Até então, Lula seguia na frente, com 39% das intenções de voto.

O registro de candidatura do ex-presidente foi barrado pela Justiça Eleitoral em um julgamento que terminou na madrugada do dia 1º. Lula está preso em Curitiba, onde cumpre pena por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex em Guarujá (SP), pela Operação Lava Jato.

Lula se diz perseguido e injustiçado. O PT tentou até o último instante prorrogar o prazo para trocar a chapa até o dia 17. Uma ala do partido, encabeçada por Lula, defendia que quanto mais tempo o ex-presidente conseguisse se manter na frente da disputa, mais votos seriam consolidados, especialmente no Nordeste do País.

Outra corrente, à qual também se agrega o PCdoB, entretanto, defendia que a troca fosse feita o quanto antes para que mais pessoas conhecessem Haddad.