COMIDA
11/09/2018 11:11 -03 | Atualizado 11/09/2018 11:11 -03

Como tomar cerveja sem ficar com barriga de chope

Conheça o movimento que junta cerveja e atividade física.

Sabemos que a cerveja não é uma bebida de baixas calorias – haja vista a famosa "barriga de chope" --, mas será que é muito exagero achar que dá para ficar em forma tomando uma bebida que é associada à barriguinha?

Primeiro, vamos deixar bem claro. "Barriga de chope" não é um termo muito preciso, segundo Joy Dubost, nutricionista, cientista de alimentos e integrante da Master Brewers Association of the Americas, uma entidade que reúne mestres cervejeiros de todo o continente.

"A ideia da barriga de cerveja não se sustenta na ciência. A cerveja não tem contribuição calórica mais alta que outras comidas ou bebidas", afirma ela.

Se você bebe com moderação, além de manter uma dieta saudável e um estilo de vida ativo, uma ou outra gelada não vão criar barriga. E, se você toma cerveja, mas não cuida da alimentação, não adianta culpar bebida se a pança está crescendo.

A segunda coisa a observar é um conceito que se aplica a qualquer comida ou bebida: equilíbrio. Você não tem de decidir entre suas cervejas e seus objetivos. É por isso que existe um movimento que une cerveja e boa forma – do qual vamos falar daqui a pouco. Antes, porém, vamos falar da importância de tomar decisões conscientes.

Você precisa entender quantas calorias tem a cerveja

Duas, três ou mais cervejas descem tranquilamente numa sentada, e você pode esquecer que uma cerveja artesanal pode conter tantas calorias quanto uma pequena refeição. Quantas, exatamente? Isso nem sempre fica claro.

Hoje, as cervejarias americanas não são obrigadas a revelar quantas calorias contêm seus produtos.

Sob pressão para ser mais transparente, o Beer Institute – um grupo que reúne empresas como Anheuser-Busch, MillerCoors, Heineken USA e Constellation Brands – decidiu informar voluntariamente o valor calórico das cervejas a partir de julho de 2016. As cervejarias que fazem parte deste grupo produzem cerca de 80% das cervejas vendidas nos Estados Unidos e se comprometeram a publicar as informações nutricionais nos rótulos até 2020.

Esse tipo de medida, entretanto, pode acarretar altos custos para as cervejarias menores. Agora que a Food and Drug Administration (órgão do governo americano responsável pela regulamentação de alimentos e remédios) determinou que o valor calórico de produtos vendidos em 20 ou mais lugares deve ser informado obrigatoriamente – ou seja, as empresas que quiserem seus produtos nesses menus terão de cumprir a nova regra.

Com a divulgação de mais informações neste período de transição, temos dados suficientes para entender pelo menos uma faixa calórica para cada estilo de cerveja. Lagers, pilsners e algumas amber ales são as que contêm menos calorias, entre 100 e 150 por 350 ml. As India Pale Ales (IPAs), que estão cada vez mais populares, contêm de 200 a 400 calorias por 350 ml. Já uma stout envelhecida em barril de carvalho, como a da Bruery, contém 500 calorias – em meros 175 ml.

De onde vêm essas calorias

Por que tanta diferença entre os estilos? Vamos lembrar de onde vêm as calorias da cerveja: proteínas, álcool e carboidratos, segundo Mark Eurich, presidente do comitê técnico da America Association of Brewing Chemists.

A maior parte desses três componentes vem do malte, tipicamente produzido a partir de cevada ou trigo. O malte inicialmente é um amido e, durante o processo de produção da cerveja, enzimas o convertem em açúcares. Depois, as leveduras convertem esses açúcares em dióxido de carbono e álcool.

As cervejarias usam receitas diferentes para cada estilo. A variações de maltes e leveduras resultam em bebidas com diferentes níveis alcoólicos e de açúcar.

"Considere uma cerveja light, por exemplo", explica Eurich. "As pessoas se perguntam por que elas têm menos calorias e carboidratos. Bem, o conteúdo alcoólico é muito mais baixo ... Uma IPA tem teor alcoólico de cerca de 7%, na média, contra cerca de 5% de uma lager light."

Se você não souber a quantidade exata de calorias, lembre-se que, quanto mais álcool, mais calorias terá a bebida. É por isso que Dubost recomenda checar ao menos o teor alcoólico da cerveja.

Beber com consciência tem benefícios além da segurança

Quando sentir-se informado sobre a cerveja que está consumindo, você não precisa estressar com os números, desde que mantenha um equilíbrio saudável e beba com consciência.

"Vivemos numa sociedade em que as pessoas são movidas por números e acham que contar calorias é uma maneira de ter controle sobre a saúde, mas na realidade isso só gera mais estresse", diz a nutricionista Hannah Turnbull. "Sou fã da intuição saudável, ou seja, prestar atenção no que o corpo está dizendo."

Ela afirma que toda pessoa é diferente e precisa encontrar seu próprio ponto de equilíbrio, o que inclui alimentação saudável, vida ativa e o "copo consciente": você ainda está se sentindo bem depois do primeiro? E do segundo?

As diretrizes alimentares do governo americano definem consumo moderado de álcool como um drinque (o equivalente a 350 ml de cerveja com teor alcoólico de 5% ou menos) por dia para as mulheres, e dois para os homens. Turnbull diz que não é necessário se martirizar caso você tome umas a mais de vez em quando.

Beber de estômago vazio não vai evitar que você ganhe peso no longo prazo

Turnbull reforça a importância das refeições balanceadas – com proteínas, gorduras, carboidratos e fibras --, especialmente quando for beber. Beber de estômago vazio nunca é boa ideia, porque o álcool entra na corrente sanguínea rapidamente e você vai se sentir mais bêbado (e mais rápido) que o normal.

Sentir-se cheio por causa da bebida também ajuda a evitar as comidas pouco saudáveis. A revista Men's Health menciona um estudo da Universidade Northwestern que indica que associamos comidas gordurosas com diversão, amigos e álcool. Um estudo da Universidade Purdue indica que o consumo de álcool aumenta a percepção do saber da gordura e do sal.

Segundo a Mayo Clinic, beber sem comer pode impedir o fígado de liberar na corrente sanguínea a glucose armazenada, o que pode causar baixo nível de açúcar no sangue – e provocar uma vontade repentina de comer alimentos que recuperem esse nível, como doces e outros carboidratos.

#EarnYourBeer (conquiste sua cerveja): como a comunidade da cerveja está incentivando hábitos mais saudáveis

Recentemente, a comunidade da cerveja tem servido de inspiração para um equilíbrio saudável. Procure a hashtag #EarnYourBeer (conquiste sua cerveja) no Instagram e você vai encontrar mestres cervejeiros, blogueiros e fãs demonstrando como curtir uma gelada e ao mesmo tempo ficar em forma.

Mikaelaa Crist é uma dessas Instagrammers. Crist é responsável pela área de educação e vendas locais da Alvarado Street Brewery, em Monterey, na Califórnia. Ela tinha planos de ser bombeira, mas teve de abandonar o sonho por causa de uma lesão nas costas. Crist é fã de cervejas artesanais e aproveitou o período de recuperação para postar as cervejas que estava experimentando – o que lhe abriu um novo caminho profissional. Assim que foi liberada pelos médicos, ela voltou para a academia e para as atividades junto à natureza.

"Quando você é jovem, pode beber o que quiser sem engordar, mas uma hora a conta chega", diz ela. "Fiquei dois anos sem tomar cerveja nos meus 20 anos, mas aí percebi que, se cortasse outros carboidratos, poderia voltar a tomar cerveja."

Lindsay e Paul Chavez são personal trainers, casados e responsáveis pelo Brewery Boot Camp, na cidade de Centennial, no Colorado. "Meu marido tem um lema", diz Lindsay Chavez. "Você não consegue ter forma física se não estiver em boa forma mental."

Eles organizavam aulas em parques para amigos que moravam longe da academia, e perceberam que depois as pessoas gostavam de sair para tomar uma cerveja. O casal decidiu então juntar exercício com cervejas artesanais. O programa cresceu e hoje tem parceria com 40 cervejarias no Colorado. Depois das aulas, as empresas oferecem desconto na compra das primeiras rodadas.

"Acho que as pessoas ficam no impasse: 'Só posso comer comida saudável' ou 'Tenho que fazer exercício'. Aí elas fazem isso durante duas semanas, perdem a motivação e deixam tudo de lado", diz Lindsay. Vamos tentar criar algo que você possa fazer para o resto da vida. Acreditamos em alimentação saudável, mas são as coisas divertidas – com moderação – que fazem a atividade física parecer valer a pena."

Cervejarias que oferecem atividades físicas são cada vez mais comuns. A Dark City Brewing, em Asbury Park, New Jersey, tem eventos de ioga todo domingo, e a dinamarquesa Mikkeller tem um clube de corrida que alcançou fama internacional.

Dos nutricionistas aos mestres cervejeiros, parece haver um consenso: dá para curtir a cerveja, mas ela tem de ser parte de um estilo de vida equilibrado, com alimentação saudável e exercícios. Se você já acha cerveja gostoso, imagine depois de uma aula de spinning ou uma trilha.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.