POLÍTICA
09/09/2018 13:41 -03 | Atualizado 09/09/2018 13:44 -03

Grupo de Fortaleza cria versão da 'Dancinha do Impeachment' para apoiar Jair Bolsonaro

Batizada de "Deus acima de todos" a música e a coreografia foram performadas neste sábado (8), pelo grupo Consciência Patriótica, na Praia da Iracema.

Um vídeo em que um grupo de apoiadores de Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL (Partido Socialismo e Liberdade), aparecem performando uma coreografia nas ruas de Fortaleza (CE), circula nas redes sociais. O grupo, sincronizado, dança e canta, em rítmo de forró:

"É 17! É Bolsonaro, é 17, é Bolsonaro!"

"O Brasil precisa de você!"

"Bolsonaro para o Brasil não virar a Venezuela!"

Batizada de "Deus acima de todos" a música e a coreografia foram apresentadas neste sábado (8), pelo grupo Consciência Patriótica, na Praia de Iracema, em Fortaleza (CE). O ato aconteceu após o deputado ser alvo de um ataque com faca em evento de campanha na última quinta-feira (6), em Juiz de Fora (MG). "Descansa, Capitão! Deixa a campanha com a gente", diz uma das postagens do grupo nas redes sociais.

O mesmo grupo, em 2016, criou uma coreografia que ficou conhecida como "Dancinha do Impeachment", que dizia: "Grita forte, brasileiro! Ê ê ê! Fora, Dilma! Fora, Lula! Fora, PT!". "O mais importante é a mensagem, simples, mas muito necessária aos tempos difíceis que o Brasil está passando", escreveu a organização à época, quando divulgou um passo a passo de como reproduzir a coreografia.
Nas redes sociais, a aceitação do vídeo ficou dividida entre os que "se sentiram envergonhados" e os que "querem amigos para reproduzir a dancinha" e os que "acharam lindo":

O deputado foi atingido por uma faca na barriga durante um ato de campanha em Juiz de Fora (MG) nesta quinta-feira (6). O agressor, identificado como Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, foi preso e disse que agiu por motivação pessoal e "a mando de Deus". A Polícia Federal investiga a possibilidade de envolvimento de terceiros.

Na tarde de ontem, sexta-feira (7), Adélio foi novamente interrogado na sede da Polícia Federal, com objetivo de saber se ele realmente agiu sozinho, como alegou no início, ou se teve ajuda de outras pessoas e se o crime teve a participação de um mentor intelectual. Não foram divulgadas novas informações.

Segundo boletim médico mais recente, Jair Bolsonaro "apresenta nítida melhora clínica e laboratorial". De acordo com o hospital, não há "nenhuma evidência de infecção".

"O quadro abdominal apresentou melhora nas últimas 24 horas e o paciente persiste em cuidados intensivos e com progresso do tempo de permanência fora de leito e caminhada. Mantém jejum oral, recebendo nutrientes por via endovenosa", afirma o boletim.

O cenário

Com a retirada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) da corrida presidencial, Bolsonaro lidera as pesquisas. Ele tem 22% de intenções de voto, de acordo com sondagem do Ibope, divulgada na quarta-feira (5).

Há um empate técnico triplo no 2º lugar: Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT) têm 12%, Geraldo Alckmin (PSDB), 9%. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.