POLÍTICA
05/09/2018 17:05 -03 | Atualizado 05/09/2018 17:38 -03

Bolsonaro deve explicar declaração sobre 'fuzilar a petralhada', diz PGR

Raquel Dodge entende que há elementos para abertura de investigação por incitação ao crime e ameaça.

Jair Bolsonaro usa tripé para simular arma em campanha em Rio Branco. "Vamos fuzilar a petralhada."
Reprodução
Jair Bolsonaro usa tripé para simular arma em campanha em Rio Branco. "Vamos fuzilar a petralhada."

A Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, enviou nesta quarta-feira (5) ao STF (Supremo Tribunal Federal) manifestação em que pede que Jair Bolsonaro (PSL) esclareça o episódio em que sugere "fuzilar a petralhada". Para Dodge, há elementos para a abertura de uma investigação por incitação ao crime e ameaça.

"Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre. Vamos botar esses picaretas para correr do Acre", disse Bolsonaro durante agenda de campanha na capital Rio Branco, no último sábado (2). O PT governa o Acre desde 1999.

Ao dizer a frase, Bolsonaro segurou um tripé de câmera como quem segura um fuzil. O candidato estava em um carro de som e foi ovacionado pelo público.

A representação foi protocolada no STF pela coligação O Povo Feliz de Novo, que reúne PT, PCdoB e PROS.

Os partidos entenderam que Bolsonaro cometeu também crime de injúria, o que foi rejeitado pela PGR. Dodge argumenta que o candidato não se dirigiu a pessoas específicas e "personificar petralhada" seria expandir a responsabilidade por analogia, "o que é absolutamente incompatível com o direito penal".

Em seu parecer, a PGR recomenda que Bolsonaro seja notificado para esclarecer os fatos. O relator do processo no STF é o ministro Ricardo Lewandowski.