NOTÍCIAS
03/09/2018 16:08 -03 | Atualizado 03/09/2018 18:36 -03

Incêndio no Museu Nacional: O tesouro inédito do acervo, segundo esta museóloga

Museóloga da instituição usou o Twitter para relembrar parte do acervo.

TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL
Incêndio no Museu Nacional, no Rio, destruiu o acervo.

Quem estuda museologia é responsável por classificar, conservar e preparar para exposição as peças de valor histórico, cultural e científico de um país. A principal função de um museólogo é divulgar conhecimento.

E é isso que Thais Mayumi está fazendo desde que um incêndio, ainda sem causas definidas, destruiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro, a mais antiga instituição científica do Brasil.

Ela estava de férias quando foi surpreendida pelas notícias do fogo avassalador, que se espalharam na noite do último domingo (2).

Em seu Twitter, Mayumi fez um desabafo sobre a situação de descaso em que a instituição estava:

Em meio às notícias sobre o incêndio que destruiu grande parte do acervo do museu, Mayumi resolveu fazer uma busca em seus arquivos pessoais.

O resultado? Fragmentos da história do Museu Nacional que viralizaram no Twitter:

Marie Curie foi uma cientista polonesa. Ela foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio Nobel de Física e a primeira mulher a lecionar em Sorbonne.

Engana-se quem pensa que o patrimônio do Museu Nacional era todo público.

De acordo com a museóloga, havia uma série de obras inéditas que estavam sendo catalogadas para exposição, como essa pintura da coleção Etnologia Indígena:

Olha o que aconteceu com esta peça, uma doação da Imperatriz Leopoldina, a primeira esposa de Dom Pedro I.

Mayumi explicou que a direção do museu estava trabalhando para garantir o orçamento necessário para a reabertura de uma das principais salas da instituição. Nela, o acervo de anatomia seria o grande protagonista:

A museóloga também lamentou a destruição do acervo de animais taxidermizados.

O luto vai além da destruição da instituição. De acordo com Mayumi, a expectativa da equipe que se dedicava à conservação do museu era bastante alta para este ano, em que se celebra o seu bicentenário.

Sério, já imaginou simplesmente ver o lugar em que você trabalha pegando fogo?

Toda força para estes profissionais incríveis, que merecem o respeito por se dedicarem à preservação da história do Brasil.

E um agradecimento especial para a Thais Mayumi, que dividiu um pouco de sua história com o Museu Nacional:

Ela aproveitou a repercussão do tuíte para um esclarecimento sério: