POLÍTICA
01/09/2018 14:15 -03 | Atualizado 02/09/2018 00:02 -03

PT insiste na candidatura de Lula no primeiro programa eleitoral na TV

TSE barrou petista com base na Lei da Ficha Limpa, e partido aposta na narrativa de que o ex-presidente sofre 'perseguição política'.

No primeiro programa eleitoral dos candidatos à Presidência em 2018, veiculado neste sábado (1º), um dia após o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) barrar Luiz Inácio Lula da Silva com base na Lei da Ficha Limpa, o PT apostou na narrativa de que o ex-presidente sofre "perseguição política" e prometeu ir até o fim para viabilizar sua candidatura.

Com a defesa de "Lula livre", a peça publicitária do PT começou com a exibição de um texto sobre a recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) a respeito da candidatura de Lula.

"Atenção: A ONU já decidiu que Lula poderia ser candidato e ser eleito presidente do Brasil. Mesmo assim, a vontade do povo sofreu mais um duro golpe com a cassação da candidatura de Lula pelo TSE. A coligação 'O povo feliz de novo' entrará com todos os recursos para garantir o direito de Lula ser candidato. Não vão aprisionar a vontade do povo", diz o texto.

Na sequência, surge o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), registrado como vice na chapa de Lula e porta-voz do ex-presidente.

"Está havendo uma perseguição política ao ex-presidente Lula, e é isso que nós não podemos admitir", diz Haddad. "A decisão está tomada, nós vamos com Lula até o fim", completa.

O vídeo continua com um depoimento de Lula no qual ele se diz inocente.

"Eu estou na situação de um inocente que está sendo julgado para evitar que este inocente volte a fazer o melhor governo do Brasil (...) Eu sei como eu vou passar para a história. Eu não sei como eles vão passar, não sei se vão passar para a história como juízes ou como algozes", afirma o ex-presidente.

O TSE deu 10 dias para o PT trocar os nomes da chapa. Lula está preso desde abril em Curitiba, após condenação em segunda instância no processo do triplex em Guarujá (SP).

Haddad visitará o ex-presidente na segunda-feira (3), e só então o partido tomará uma decisão. A expectativa é que Haddad assuma a cabeça de chapa, com Manuela D'Ávila (PcdoB) como candidata a vice-presidente.

Outros candidatos

Com quase metade do tempo de TV (5m32s), Geraldo Alckmin (PSDB) defendeu sua trajetória como "político e médico". Como já aconteceu em eleições passadas, a campanha de Alckmin aposta mais uma vez no nome "Geraldo" para cativar o eleitorado, e o ex-governador de São Paulo foi apresentado como "firme e equilibrado", "cabeça e coração".

O início da propaganda tucana, porém, foi marcado por críticas à proposta do adversário Jair Bolsonaro (PSL) de armar a população. A peça começou com uma atriz dizendo que, apesar de estar indignada com a situação do País, não votará "com raiva" neste ano. O programa continua com o vídeo "Não é na bala que se resolve", veiculado em inserções na TV desde sexta-feira (31).

Com apenas 8 segundos por bloco, Bolsonaro só teve tempo de dizer que vai defender "a família e a pátria".

Também com pouco tempo de TV (21 segundos), Marina Silva (Rede) mirou no eleitorado feminino e tentou afastar a imagem de mulher frágil. "Eu quero falar com você, mulher. Alguma vez já te chamaram de fraca, de incapaz? Eu sei como é. Eu vou trabalhar todos os dias para que ninguém diga que você não pode. Você pode, sim. Essa luta é nossa", diz Marina.

Com apenas 38 segundos, Ciro Gomes (PDT) apresentou sua proposta de limpar o nome dos brasileiros que estão inadimplentes no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito).

Guilherme Boulos (PSol), que tem 13 segundos, foi apresentado ao eleitorado pelo ator Wagner Moura.

Henrique Meirelles (MDB) também explorou a imagem de Lula no horário eleitor. Presidente do Banco Central no governo do petista, o candidato apostou no slogan "Chama o Meirelles": "Quem chamou primeiro foi o Lula".

Também concorrem à Presidência os candidatos Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Eymael (DC), João Goulart Filho (PPL) e Vera Lúcia (PSTU).