POLÍTICA
30/08/2018 08:00 -03 | Atualizado 30/08/2018 08:00 -03

As propostas de Cabo Daciolo para reforma tributária no Brasil

"Governar é baixar juros e impostos", diz o programa de governo do candidato.

NELSON ALMEIDA via Getty Images
Cabo Daciolo promete menos juros e impostos, se eleito presidente.

Em seu programa de governo, o candidato à presidência Cabo Daciolo (Patriota) traz uma série de dados para argumentar que o Brasil possui uma elevada taxa de juros e de impostos. Ele defende que, para melhorar a economia do País, é preciso fazer uma "reformulação das diretrizes macroeconômicas".

Governar é baixar juros e impostos. Cabo Daciolo em programa de governo.

Para o candidato, no entanto, não adianta fazer uma reforma tributária no País se, em paralelo, não forem reduzida as despesas públicas.

"Não adianta reduzir impostos, se o setor público não diminuir os gastos e não eliminar privilégios. Iremos efetuar um equilíbrio de forças a fim de promover investimentos no setor público cruciais e ao mesmo tempo eliminar gastos excessivos e desnecessários", diz o texto.

Contudo, o programa de governo não explica quais serão as políticas públicas adotadas para melhorar os indicadores.

Propostas de Cabo Daciolo

  • Reduzir a taxa de juros a fim de possibilitar ao País atrair investimentos estrangeiros e competir com mais vigor no mercado internacional;
  • Reduzir a carga tributária;
  • Reduzir a despesa pública.

Benevenuto Daciolo da Fonseca dos Santos nasceu em Floranópolis e tem 42 anos. Formado em turismo, ele não seguiu na profissão. Entrou para o Corpo dos Bombeiros em 1988 e se destacou na vida pública em 2011, ao liderar a greve da categoria no Rio de Janeiro.

Em 2014, Daciolo venceu a disputa nas eleições para deputado federal pelo Psol. Durante o seu mandato, grande parte dos projetos de leis apresentados estava ligada aos temas religião e defesa dos militares. Daciolo se declara evangélico há 14 anos.

Daciolo foi expulso do partido socialista em 2015 após fazer um discurso em defesa dos policiais acusados do assassinato do auxiliar de pedreiro Amarildo de Souza.

Em seu registro de candidatura no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Cabo Daciolo declarou não ter nenhum bem.