POLÍTICA
30/08/2018 17:57 -03 | Atualizado 31/08/2018 17:39 -03

Alckmin parte para o ataque contra Bolsonaro em vídeo da campanha na TV

Com o mote 'Não é na bala que se resolve', campanha tucana vai atacar proposta de Bolsonaro de armar a população.

De olho no eleitor de Bolsonaro, Alckmin diz que problemas do País não serão resolvidos na bala.
Reprodução/YouTube
De olho no eleitor de Bolsonaro, Alckmin diz que problemas do País não serão resolvidos na bala.

Se havia alguma dúvida de que Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à Presidência, iria para cima do adversário Jair Bolsonaro (PSL) no horário eleitoral, a resposta do tucano foi dada nesta quinta-feira (30), com a divulgação do primeiro vídeo da campanha tucana na TV.

A peça publicitária, que deve ser usada em inserções na programação das emissoras, ataca uma das propostas mais conhecidas de Bolsonaro, de flexibilizar o Estatuto do Desarmamento e facilitar a posse e o porte de armas pela população. Alckmin, contudo, já defendeu que o porte de arma deve ser "facilitado" na zona rural.

Ao som de música clássica, o vídeo mostra um projétil destruindo objetos que representam problemas do País: desemprego, falta de saneamento, analfabetismo, filas na saúde, fome.

Ao final, a bala quase atinge a cabeça de uma criança, quando o projétil, então, se transforma na frase "Não é na bala que se resolve".

"O desemprego, as filas na saúde, a fome e outros problemas que atingem principalmente os grupos mais vulneráveis da nossa população não serão resolvidos na bala. Tem que ter experiência, responsabilidade e determinação para unir o Brasil e fazer as mudanças que o nosso país precisa", diz o texto que acompanha o vídeo, no canal de Alckmin no YouTube.

De acordo com a equipe tucana, o vídeo é uma "adaptação" da campanha inglesa "Stop the bullet, kill the gun". Assista:

Horário eleitoral

O horário eleitoral gratuito em rádio e TV começa a ser transmitido nesta sexta-feira (31).

As inserções serão veiculadas já desde o primeiro dia, mas o programa fixo dos candidatos à Presidência começará no sábado (1) – irão ao ar às terças, quintas e sábados, às 13h e às 20h30, na TV, e às 7h e ao meio-dia, no rádio.

Com uma coligação formada por 9 partidos, Alckmin abocanhou quase metade do horário eleitoral e terá 5 minutos e 32 segundos em cada bloco. O tucano terá, ainda, 434 inserções no primeiro turno.

Isolado, Bolsonaro terá apenas 8 segundos em cada bloco e 11 inserções.