POLÍTICA
27/08/2018 16:07 -03 | Atualizado 27/08/2018 16:46 -03

Desemprego: A receita dos candidatos à Presidência para criar novas vagas

Falta trabalho para 27,6 milhões de pessoas no Brasil.

MIGUEL SCHINCARIOL via Getty Images

Em um País com 13 milhões de desempregados, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de julho, e com falta de trabalho para 27,6 milhões de pessoas, a formulação de políticas para geração de novas oportunidades se tornou um dos principais focos destas eleições.

Engordam essa segunda estatística, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), aqueles que estão subocupados e os desalentados -- que são os que desistiram de procurar emprego.

Neste cenário, o próximo presidente terá a responsabilidade de estimular setores da economia a empregar. Cada um dos candidatos tem propostas específicas, com exceção do Cabo Daciolo, do Patriota. Para dar uma resposta rápida, estão no foco dos presidenciáveis áreas como a construção civil e o empreendedorismo.

Conheça o que 12 candidatos propõem:

Alvaro Dias: Plano de governo promete 10 milhões de empregos no setor privado

Ciro aposta em programa 'emergencial' de emprego com foco na construção civil

Alckmin propõe abertura da economia para atrair investimento e gerar emprego

Para Boulos, investir em obras públicas ajudará a criar empregos

Meirelles quer facilitar 1º emprego para jovens e reduzir gap salarial de homens e mulheres

Bolsonaro propõe carteira de trabalho verde e amarela contra o desemprego

Amoêdo aposta em menos interferência do Estado para gerar empregos no País

João Goulart Filho quer revogar reforma trabalhista e fortalecer Justiça do Trabalho

As propostas de José Maria Eymael para o desemprego no Brasil

Plano do PT para gerar empregos inclui retomada de obras e crédito acessível

Como Marina Silva planeja gerar emprego a partir de energias renováveis

Vera Lúcia quer estatizar 100 empresas e estender seguro-desemprego para 2 anos