POLÍTICA
22/08/2018 09:40 -03 | Atualizado 22/08/2018 21:51 -03

Apenas 17% dos eleitores dizem que Lula apoiaria Haddad, segundo Datafolha

PT inicia estratégia para transferência de votos para Haddad, caso a candidatura de Lula seja barrada pelo TSE.

LatinContent/Getty Images
Entre os entrevistados, 51% disseram não saber quem o petista apoiaria, 10% apontaram Marina Silva (Rede), outros 6% responderam Ciro Gomes (PDT).

Apenas 17% dos eleitores sabem que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) apoiaria Fernando Haddad (PT), caso seja impedido de participar das eleições, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada nesta quarta-feira (22).

Entre os entrevistados, 51% disseram não saber quem o petista apoiaria, 10% apontaram Marina Silva (Rede), outros 6% responderam Ciro Gomes (PDT). Em seguida, foram indicados Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSL), ambos com 4%.

A informação é fundamental na estratégia do PT, que tem Haddad como plano B na corrida presidencial. Dentro do partido, a dificuldade de transferência de votos é um fator que preocupa alguns petistas. Caso Lula seja impedido, o desafio será o eleitor associar o ex-prefeito de São Paulo como candidato do ex-presidente.

Nesta terça-feira (21), vídeo divulgado pela campanha petista mostra uma fusão de imagens de Lula e Haddad. "Não adianta tentar evitar que eu ande por esse país porque eu tenho milhões e milhões de Lula", diz o ex-presidente. Em seguida, o ex-prefeito afirma: "Somos Lula. Somos milhões de Lula. Andarei por todos os cantos do Brasil, levando suas ideias de sonhos".

Haddad começou a campanha em Salvador (BA), ao lado do governador petista Rui Costa, que disputa a reeleição e está em primeiro lugar nas pesquisas. No giro pelo Nordeste, ele segue nos próximos dias para Sergipe, Paraíba, Rio Grande do Norte e Maranhão.

De acordo com o Datafolha, 31% votariam no candidato indicado por Lula. Outros 48% disseram que não votariam e 18% responderam talvez. O ex-presidente lidera a corrida eleitoral, com 39% das intenções de voto. No cenário em que é substituído por Haddad, o ex-prefeito tem 4%.

O Datafolha ouviu 8.433 pessoas em 313 municípios, de 20 a 21 de agosto. A margem de erro do levantamento, uma parceria da Folha de S.Paulo e da TV Globo, é de 2 pontos percentuais para mais ou menos.

Candidatura de Lula pode ser barrada

Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, Lula pode ser considerado inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Preso desde 7 de abril, ele foi condenado em 2ª instância pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em 24 de janeiro, a 12 anos e 1 mês de prisão. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deve sugar o registro de candidatura no início de setembro.

A procuradora-geral da República e chefe do MPE (Ministério Público Eleitoral), Raquel Dodge, pediu, na semana passada, que o registro seja rejeitado. "Segundo a lei vigente, o cidadão que tenha sido condenado por órgão colegiado nos últimos oito anos perde a capacidade eleitoral passiva", escreveu Dodge.

O relator, ministro Luís Roberto Barroso, sinalizou que irá cumprir todos os prazos. A defesa deve esperar até a data limite, prevista para 30 de agosto, para se pronunciar. No dia seguinte, começa a propaganda eleitoral em rádio e televisão.

O Comitê de Direitos Humanos da ONU (Organização das Nações Unidas) recomendou que o Estado brasileiro tome todas as medidas necessárias para garantir a candidatura presidencial do ex-presidente. Os advogados do candidato afirmam que a decisão é mandatória, mas o Ministério de Relações Exteriores afirmou, em nota, que as conclusões do comitê "têm caráter de recomendação e não possuem efeito juridicamente vinculante".