POLÍTICA
15/08/2018 11:55 -03 | Atualizado 15/08/2018 11:55 -03

Isolado no PSDB, Aécio Neves também é alvo de crítica nas redes sociais

'Tua carreira acabou' diz comentário após senador se tornar réu por corrupção e obstrução à Justiça. O tucano foi campeão de votos em Minas em 2010.

Ueslei Marcelino / Reuters
Aécio é acusado de ter recebido R$ 2 milhões em espécie do empresário Joesley Batista e também é alvo de outros 8 inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal).

Isolado no PSDB após as investigações por corrupção, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tem usado as redes sociais para tentar se eleger como deputado federal. Ele anunciou em 2 de agosto que não tentaria a reeleição. Sua opositora em 2014, a ex-presidente Dilma Rousseff é candidata ao Senado pelo PT de Minas Gerais.

Ao justificar a decisão, o tucano afirmou que afirmou que colocou os interesses dos mineiros em primeiro lugar. "A gravidade da situação do nosso Estado exigirá uma bancada forte e unida na defesa dos interesses de Minas no Congresso e junto ao Governo Federal", disse, em nota.

Na corrida pela vaga na Câmara, o tucano tem divulgado propostas feitas em sua atuação como parlamentar e ações quando estava no governo de Minas Gerais, de 2003 a 2010.

A tentativa de ganhar popularidade tem algumas barreiras. Nesta publicação, o comentário mais curtido faz um trocadilho em referência ao helicóptero com 450 kg de cocaína apreendido em 2003. A aeronave era de propriedade da família do senador Zezé Perrella (MDB-MG), aliado do tucano.

Em uma escuta flagrada pela Polícia Federal em 2017, Perrella faz piada com o episódio. "Eu não faço nada de errado, eu só trafico drogas", diz a Aécio, provocando risadas.

Em outra publicação, em que Aécio diz ter proposto um projeto de lei que aumenta pena para o adulto que explorar criança ou adolescente na prática de crimes, um comentário sugere que ele deixe a vida pública. Outros comentários sugerem que ele só quer ser eleito para manter o foro privilegiado.

O tucano tem sido evitado por correligionários desde que se tornou réu em abril por por corrupção e obstrução de Justiça. Ele é acusado de ter recebido R$ 2 milhões em espécie do empresário Joesley Batista e também é alvo de outros 8 inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal).

O senador não foi à convenção do PSDB mineiro que lançou o senador Antonio Anastasia como candidato ao governo do estado. O correligionário foi vice de Aécio no governo de Minas.

A ausência do tucano também foi notada na convenção nacional do partido, que confirmou Geraldo Alckmin como nome na disputa presidencial. No evento, em 4 de agosto, ele chegou a ser alfinetado indiretamente pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). "Confesso que fiquei muito desiludido com o futuro do nosso País e também do nosso partido. (...) Mas hoje estou muito otimista, conseguimos uma chapa que com certeza orgulha nosso partido e nosso País", disse o senador em discurso.

Aécio foi campeão de votos para o Senado em Minas Gerais em 2010, quando conquistou 7,5 milhões de eleitores, o equivalente a 39,49% dos votos válidos. Algumas sondagens também mostravam que ele poderia conquistar a reeleição. Pesquisa CNT/MDA publicada em 31 de julho mostrava Dilma com 21,5% das intenções de voto, na liderança, e o tucano em segundo, com 15%. Em pesquisa do DataPoder360, divulgada em 26 de junho, o senador aparecia com 12%.