POLÍTICA
14/08/2018 12:41 -03 | Atualizado 14/08/2018 13:01 -03

Guilherme Boulos em sabatina ao HuffPost e Yahoo: 'Eu vou pro 2º turno e terei apoio de Haddad, Ciro e Lula'

Candidato à Presidência pelo PSol afirmou que o caso Val demonstra que Jair Bolsonaro recorre às práticas da velha política.

Leonardo Sacco/Yahoo Notícias
Guilherm Boulos (PSol) foi o 1º candidato à Presidência sabatinado por HuffPost e Yahoo.

Guilherme Boulos foi o primeiro candidato à Presidência a passar pela sabatina conjunta de HuffPost Brasil e Yahoo Notícias. "Eu vou para o 2º turno e terei apoio de [Fernando] Haddad, Ciro [Gomes] e Lula", disse nesta terça-feira (14), ao ser questionado sobre a possibilidade de sua candidatura não decolar. O presidenciável oscila entre 0% e 1% nas últimas pesquisas de opinião.

Boulos foi sabatinado por 4 jornalistas na sede da Oath, em São Paulo. Ele detalhou suas propostas para educação, saúde, Previdência e direitos dasmulheres e LGBT. O vídeo com os melhores momentos da sabatina será divulgado em breve.

Sobre o patrimônio declarado ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), de R$ 15.416, Boulos afirmou aos jornalistas do HuffPost e Yahoo que possui em seu nome apenas um Celta. Ele diz que mora em "uma casa modesta na periferia de São Paulo". É um imóvel em Campo Limpo, na zona sul, financiado, segundo ele, por seus pais e a família de sua esposa. Por isso, não está no nome dele.

Na sabatina, Boulos também criticou seu principal adversário no debate da Band, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), a quem acusou de fazer um "populismo baseado no medo". Na última quinta-feira (9), Boulos constrangeu Bolsonaro na televisão com o questionamento: "quem é a Val?".

A referência era a Walderice Santos, uma funcionária fantasma da Câmara Federal denunciada pela Folha de S.Paulo em janeiro deste ano. Segundo o jornal, ela é uma vizinha de Bolsonaro em Angra dos Reis (RJ) que prestava serviços particulares a ele, mas recebia salário desde 2013 como funcionária do gabinete dele em Brasília.

Nesta segunda-feira (13), a assessora de Bolsonaro foi demitida. Ela recebeu R$ 17 mil desde a revelação de que era funcionária fantasma.

Boulos detonou a demissão: "a Val não é culpada. Ela é vítima. O Bolsonaro é culpado. O problema é usar dinheiro público para alguém fazer serviços pessoais em uma das casas dele". O ex-líder do MTST condenou as "mesmas práticas da velha política" que Bolsonaro diz criticar.

Ao falar da demissão de Walderice Santos, Bolsonaro disse que o "crime dela foi dar água para os cachorros" em sua casa na região de Angra dos Reis. O salário bruto dela era R$ 1.416.