COMPORTAMENTO
09/08/2018 17:11 -03 | Atualizado 09/08/2018 17:34 -03

Mulheres têm maior chance de sobrevivência se forem atendidas por médicas

Estudo sugere que o gênero do médico que cuida de uma mulher vítima de ataque cardíaco pode afetar as taxas de mortalidade.

Getty Images/Cultura RF

Doenças cardiovasculares são principal causa de morte no mundo. Só no Brasil, cerca de 300 mil pessoas sofrem infartos todos os anos. Mas os ataques cardíacos são especialmente perigosos para as mulheres.

Isso porque os sintomas se expressam de forma diferente nelas - e isso pode levar a diágnosticos imprecisos.

Um novo estudo sugere que o gênero do médico que atende uma mulher vítima de um ataque cardíaco pode significar a diferença entre a vida e a morte da paciente.

A pesquisa foi publicada na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, em agosto. De acordo com os pesquisadores, uma mulher tem maior probabilidade de sobreviver a um ataque cardíaco se receber atendimento de uma médica logo no pronto-socorro.

O estudo sugere que médicas conseguem estabelecer um diálogo mais focado no paciente, com a devida atenção aos sintomas. Para elas, os sintomas do infarto podem se apresentar como dores nas costas e na mandíbula, náuseas, vômitos e arritimias.

"Estes resultados sugerem uma razão pela qual a desigualdade de gênero na mortalidade por ataque cardíaco persiste: a maioria dos médicos é do sexo masculino, e os médicos parecem ter problemas para tratar pacientes do sexo feminino. As mulheres são mais propensas a apresentar sintomas atípicos e as médicas são melhores em entender os sinais do que seus colegas homens", escreveu Brad Greenwood, um dos autores do estudo.

A pesquisa

O estudo foi baseado em dados anônimos de 582.000 pacientes em hospitais da Flórida, entre 1991 a 2010. Os dados também demonstraram que os homens sobrevivem mais aos ataques cardíacos.

Entre os pacientes que sofreram infarto, mas que foram tratados por médicas, 11,8% dos homens morreram em comparação com 12% das mulheres.

A diferença mais alarmante foi no grupo de pacientes com ataque cardíaco sob os cuidados de médicos do sexo masculino. Nesse grupo, 12,6% dos homens morreram em comparação com 13,3% das mulheres que não sobreviveram. Os dados levaram em conta, ainda, fatores como raça, idade e histórico médico.

De acordo com Seth Carnahan, outo autor do estudo, os dados "sugerem que é preciso mostrar como homens e mulheres podem apresentar sintomas diferentes em casos como esse".

Um dos principais fatores que afetam os cuidados que as mulheres recebem em centros de emergência é o canal de comunicação que elas estabelecem com seus médicos.

Para criar um diálogo que tenha como objetivo o acolhimento e a empatia, o estudo também destaca a necessidade de os médicos mudarem a forma como abordam os sintomas das mulheres.

Outro estudo, publicado no New England Journal of Medicine, descobriu que as mulheres têm 7 vezes mais de chances do que os homens de serem diagnosticadas de forma errada e receber alta em meio a um ataque cardíaco.

Já em uma pesquisa publicada em 2016, na JAMA Internal Medicine, os dados demonstraram que pacientes tratados por mulheres médicas tinham menores taxas de mortalidade e eram menos propensos a serem readmitidos em hospitais do que pacientes tratados por médicos do sexo masculino.

De acordo com o Journal of Women's Health, essas diferenças podem ser explicadas por que as médicas são mais preocupadas em estabelecer um diálogo focado no paciente, em que a sensibilidade às necessidades e as preferências do doente são essenciais para a tomada de decisões.

Contudo, os resultados do estudo mais recente apresenta limitações.

A pesquisa foi capaz de determinar uma correlação entre o número de mortes dos pacientes e o gênero do médico responsável pelo atendimento. Isso não pode ser generalizado em uma regra de causa e efeito. Ou, ainda, não demonstra que médicos homens oferecem um pior atendimento.

Para os autores, os dados reforçam a necessidade de continuar investigando a desigualdade de gênero em questões de saúde e atendimento médico.