MULHERES
07/08/2018 09:42 -03 | Atualizado 07/08/2018 09:42 -03

Operação no Rio prende 23 suspeitos de violência doméstica e sexual

Lei Maria da Penha completa 12 anos nesta terça-feira (7).

Criada a partir do caso de uma farmacêutica agredida pelo marido por 23 anos, a Lei Maria da Penha completa 12 anos em vigor no País nesta terça-feira (7).
NurPhoto via Getty Images
Criada a partir do caso de uma farmacêutica agredida pelo marido por 23 anos, a Lei Maria da Penha completa 12 anos em vigor no País nesta terça-feira (7).

Uma operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu 23 suspeitos de violência doméstica e sexual contra às mulheres na manhã desta terça-feira (7). Criada a partir do caso de uma farmacêutica agredida pelo marido por 23 anos, a Lei Maria da Penha completa 12 anos em vigor no País.

A ação policial dasDelegacias Especiais de Atendimento à Mulher (DEAM) conta com o apoio das Delegacias de Homicídio, Polinter e de todos os departamentos da Polícia Civil.

Em 2017, foram registrados 68 casos de feminicídio no estado do Rio. Em vigor desde 2015, esse tipo de violência é o homicídio da mulher apenas pelo fato de ser mulher.

O feminicídio é um agravante do crime de homicídio, que transforma o ato em homicídio qualificado. A pena para o crime vai de 12 a 30 anos de reclusão e pode ser elevada em até 50% caso o crime seja praticado na presença de filhos, pais ou avós da vítima, durante a gestação ou nos 3 meses imediatamente pós-parto e ainda contra vítima menor de 14 anos, maior de 60 anos ou com deficiência.

Na noite desta segunda (6), o pintor Anderson da Silva, de 28 anos, foi preso após confessar ter matado a esposa Simone da Silva de Souza, de 25 anos. Ela foi asfixiada na casa do casal no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio.

Anderson cometeu o crime na frente do filho de 3 anos do casal. Simone estava grávida de 2 meses e ele desconfiava que não fosse o pai da criança. O homem vai responder pelos crimes de feminicídio e aborto e pode pegar até 40 anos de prisão.