POLÍTICA
06/08/2018 19:38 -03 | Atualizado 06/08/2018 21:13 -03

Justiça nega pedido do PT para Lula ir a debate

Juíza do TRF-4 entende que partido não poderia ter entrado com a ação em nome do ex-presidente.

Lula deveria fazer campanha para estar em "pé de igualdade com outros partidos", diz PT.
Ueslei Marcelino/Reuters
Lula deveria fazer campanha para estar em "pé de igualdade com outros partidos", diz PT.

O TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) negou nesta segunda-feira (6) pedido do PT para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso, fosse autorizado a participar do debate da Band, o primeiro entre os candidatos à Presidência, nesta quinta-feira (9).

A decisão é da juíza federal Bianca Georgia Cruz Arenhart, que está substituindo o relator da Lava Jato na Corte, desembargador João Pedro Gebran Neto.

De acordo com a magistrada, caberia apenas a Lula e seus advogados, e não ao partido, entrarem com a ação.

"De fato, nos termos da Lei de Execução Penal, cabe ao próprio executado, por meio de sua defesa constituída ou, na sua falta, à Defensoria Pública da União, pleitear benefícios ao preso, tema que se reserva ao julgamento do feito pelo Colegiado", escreveu a juíza.

"Pé de igualdade"

Lula teve sua candidatura confirmada pelo PT no último sábado (4). Em julho, a juíza responsável pela execução da pena de Lula, Carolina Lebbos, negou pedidos de jornais e TVs para que o ex-presidente fosse entrevistado na prisão.

Na mesma ação, a magistrada proibiu o petista de participar de atos de campanha e pré-campanha como debates, inclusive por meio de videoconferência, rejeitando pedidos apresentados pelo PT.

O PT já havia recorrido da decisão no TRF-4 e, nesta segunda, entrou com nova petição pedindo urgência na análise do recurso.

O argumento é que Lula tem o direito de "realizar atos típicos de pré-campanha, de modo a se manter em pé de igualdade com outros partidos políticos". Para a defesa, a ausência do candidato no debate pode causar dano irreparável.

Debate Band

Em seu programa na Rádio BandNews na manhã desta segunda, o jornalista Ricardo Boechat disse que, se Lula não for autorizado a sair da prisão, a coligação não poderá enviar um representado em seu nome, por conta das regras do debate na emissora.

"Não vindo o Lula, não pode vir alguém no seu lugar porque o debate é restrito a candidatos à Presidência da República declarados como tal", afirmou Boechat.

Uma opção seria enviar o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), anunciado neste domingo (5) como vice na chapa de Lula, e o partido já discute levar a questão para a Justiça.