POLÍTICA
05/08/2018 08:55 -03 | Atualizado 05/08/2018 09:33 -03

Rachado, PSB deve anunciar neutralidade para beneficiar PT na disputa à Presidência

Sem candidato ao Planalto nas eleições 2018, prioridade dos socialistas é garantir o controle de Pernambuco, berço do partido.

Carlos Siqueira, presidente do PSB. Neutralidade do partido atende a acordo com o Lula.
PSB e Getty Images
Carlos Siqueira, presidente do PSB. Neutralidade do partido atende a acordo com o Lula.

Depois de perder seu maior nome, Eduardo Campos, em acidente aéreo em 2014, e assistir à recusa do ex-ministro Joaquim Barbosa em se candidatar à Presidência em 2018, o PSB deve anunciar neutralidade na disputa ao Planalto nestas eleições, em convenção que será realizada neste domingo (5), em Brasília.

A decisão de não apoiar nenhum presidenciável faz parte de acordo firmado com o PT para isolar o candidato do PDT, Ciro Gomes. O ex-governador do Ceará, contudo, diz que ainda aguarda uma resposta do PSB sobre apoio à sua candidatura.

"Eu não estou acreditando que o PSB tomará essa decisão [neutralidade]", disse Ciro neste sábado (4), em evento do PDT em Serra (ES). Ele estava acompanhado de Renato Casagrande (PSB), ex-governador e candidato ao governo do Espírito Santo. Contrariando recomendação da direção nacional, o socialista prometeu palanque a Ciro no estado.

A prioridade do PSB é garantir o controle de Pernambuco, berço do partido.

No acordo com os petistas, ficou decidido que a candidatura de Marília Arraes (PT) ao governo do estado seria retirada, facilitando o caminho de Paulo Câmara (PSB) à reeleição. Arraes resistiu, mas foi vencida.

Em troca, o PSB deve retirar a candidatura de Marcio Lacerda ao governo de Minas Gerais para beneficiar a candidatura de Fernando Pimentel (PT), que tenta a reeleição.

Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images
Marcio Lacerda (PSB) diz que vai até o fim por sua candidatura ao governo.

A estratégia causou revolta, e a direção do partido pode enfrentar obstáculos para aprovar a decisão neste domingo. Uma prévia do que vem por aí foi observada no sábado na convenção do partido em Belo Horizonte, que acabou em tumulto.

Com a resistência do ex-prefeito em abrir mão da candidatura ao governo, na quinta-feira (2) o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, derrubou a direção do partido em Minas, favorável a Lacerda, e nomeou novos diretores.

PSB-MG
Confusão entre aliados e adversários de Marcio Lacerda marcou convenção do PSB em Minas.

A convenção realizada no sábado havia sido cancelada pela nova direção, mas aliados de Lacerda mantiveram o evento e aprovaram seu nome para o governo. Em nota, o PSB nacional afirma que não reconhece a candidatura de Lacerda e que vai anular os resultados da convenção mineira neste domingo.

Ciro e Lacerda

O PSB ofereceu a Lacerda uma vaga na disputa ao Senado pela chapa do PT, mas ele não aceitou. Ele disse que vai à convenção nacional em Brasília para defender sua candidatura ao governo de Minas e votar para que o partido apoie Ciro Gomes à Presidência.

Lacerda e Ciro se reuniram no sábado em Belo Horizonte, e o pedetista postou uma foto do encontro em suas redes sociais. "Fui dar um abraço no companheiro Márcio Lacerda, que foi vítima de uma punhalada pelas costas. Fiquei feliz de saber que ele vai resistir e lutar", escreveu Ciro.